Cholesterol Sulfate and Glyphosate: A Special Interview with Dr. Stephanie Seneff

By Dr. Joseph Mercola

DM: Dr. Joseph Mercola

SS: Dra. Stephanie Seneff

DM: Todos sabemos que o sol é saudável para você. Mas por que é tão saudável?

Olá, eu sou o Dr. Mercola, ajudando você a controlar sua saúde. Hoje, a Dra. Stephanie Seneff, cientista sênior de pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), se juntará a ela e ela vai nos ajudar a responder a essa pergunta. Bem-vindo e obrigado por se juntar a nós hoje, Dr. Seneff.

SS: Thank you for having me. It’s my pleasure.

DM: We’ve interviewed you previously, and one of your somewhat controversial comments, positions, or theories (I guess would be the best and most accurate definition of it) is that one of the ways that sunlight works is that it shines on your skin and forms something called cholesterol sulfate.

SS: Right. DM: We know cholesterol’s in our skin and it really is a substrate forming vitamin D. But really, no one’s talking about this cholesterol sulfate. I’m wondering if you could expand what I just summarized and then enlighten us on any new insights you’ve had since we’ve last discussed this.

SS: Wow. Yes. Well, I have a lot to say about cholesterol sulfate. I identified it as an important molecule many years ago. Ever since then I’ve really been combing the literature to learn everything I can about cholesterol sulfate. There’s very little literature on it. Most people are just not paying attention to this molecule. Mostly what you’ll see is, “Oh, yeah, there’s always cholesterol sulfate in the blood, and we don’t know what it’s for.” We do know that the red blood cells produce cholesterol sulfate and that it protects them from falling apart. If the red blood cell can’t produce enough cholesterol sulfate (they call it hemolysis), it will just spill its contents out into the blood. Now, you’ve got to have all these cells scrambling to clean up the mess that’s left behind. That’s not a good thing. The red blood cells need the cholesterol sulfate to stay healthy. It’s very elegant, I think, concept that they need the sunlight to make the sulfate. This is something that… I sort of came upon this as an idea just thinking about the skin. The skin makes a huge amount of cholesterol sulfate. It’s the main producer, the cells in the skin. Of course, the skin is exposed to sunlight and it also produces vitamin D sulfate at the same time. The vitamin D that’s produced in the skin is transported in the sulfated form. I started to think in terms of transporting sulfate as I saw that these molecules we’re being sulfated. The neat thing is when you sulfate the cholesterol, you turn it into a water-soluble and a fat-soluble molecule. It can get just about anywhere on its own. It doesn’t have to be packaged up inside, for example, in the low-density lipoprotein (LDL) particle. The LDL particles are the things that are high in association with heart disease, and they’re giving everybody a statin drug to try to knock it down, which is a very bad idea. The cholesterol sulfate serves the really important goal of distributing both cholesterol and sulfate to all tissues. I think that’s what it does, one of the really important things that it does. It’s incredibly important because the cholesterol and the sulfate are absolutely essential to the well-being of all the cells.

DM: Você entenderia ou posicionaria que a exposição à luz solar seria menos benéfica se você não tivesse enxofre suficiente?

SS: Sim, definitivamente. Você precisa do enxofre para que funcione, certo? Você também precisa da molécula que a produz. É aqui que é muito interessante. Eu estava tentando descobrir qual molécula poderia estar nas células vermelhas do sangue que produzem o sulfato. Tornou-se muito claro para mim que deve ser essa molécula chamada óxido nítrico sintetase endotelial (eNOS). Esta é a molécula que foi extremamente bem estudada. Provavelmente existem milhares de papéis. Eles entendem que produz óxido nítrico, como você pode imaginar, porque esse é o nome – óxido nítrico sintetase endotelial. Faz óxido nítrico. Também produz superóxido. Eles estão bem cientes disso. Eles consideram isso uma patologia. Eles acham que quando está produzindo superóxido, está fazendo algo errado. Mas o fato é que um superóxido é necessário para oxidar o enxofre para produzir o sulfato. O sulfato é SO4 (2-). Possui quatro oxigênio e um enxofre. Nitrato – é nitrogênio mais três oxigênio.

DM: Is the sulfate the biological active form of how it’s used in our tissues?

SS: It’s one of the very, very important ones. All of the cells are surrounded by an extracellular matrix, where they have these sugar molecules with the nitrogen attached to them that also have sulfates attached in random places. It’s very fascinating. These are really complicated molecules, and we don’t understand them very well but they have really, really important role in the blood. For example, in the endothelial wall lining the blood vessels, these sugar molecules, sulfated sugar molecules, control what gets in and what doesn’t. There’s a lot of signaling that goes on. A lot of important signaling molecules are attached to these sulfated sugar molecules before they go in and then there’s like all this regulation that takes place. When the artery wall is depleted in sulfate, it doesn’t work properly. That’s when you get these cascades and end up producing things like cardiovascular plaque because there’s not enough sulfate in the artery wall. That’s what causes the plaque to build.

DM: Okay. One of the therapeutic recommendations is going to be to increase your sulfate, which would be related to increasing your sulfur. We had discussed in another interview how garlic would really be a good source of food sulfur, perhaps one of the best. But even with that, you’re still going to have problems if you’re eating processed foods because processed foods are loaded with glyphosate.

SS: Yes.

DM: You’ve enlightened us on the fact that glyphosate is just being… Even though wheat’s not GMO, it’s still used massively in GMOs. Anyone who’s eating wheat is getting lots of glyphosate.

SS: Probably.

DM: If you’ve got glyphosate, it is going to interfere with that. Why don’t you review that whole process on how we need to pay attention to those details, otherwise we’re not going to increase the sulfate and not benefit from the sun exposure.

SS: Well, it’s very interesting with glyphosate. Glyphosate disrupts cytochrome p450 enzymes, and I’ve talked about that before. There are lots of them in the liver. One of the things they do there is to activate vitamin D. We have a vitamin D deficiency epidemic right now. I think a lot of it might be due to the fact that it’s not getting activated in the liver because of the disruption of the glyphosate. eNOS, this molecule that I mentioned that gets the…

DM: Liver puts the first hydroxyl molecule on it.

SS: Yeah, right. DM: When you measure vitamin D, you measure 25-hydroxyvitamin D, which is done in the liver.

SS: That’s right. And you get the 1,25-dihydroxyvitamin D in the kidney, which also depends on the CYP enzyme.

DM: Right.

SS: Both of those activations depend on CYPs I actually think. It’s the double-activated form that’s the active form of vitamin D. Tiny amounts of it can have important signaling reactions.

DM: Really tiny.

SS: I think in a way the vitamin D is actually testing. It’s a mechanism to test. You start out in the skin. Okay, the sunlight is working. It’s making the sulfate. The vitamin D transports the sulfate to the liver. In the liver, it gets oxidized using the CYP enzyme. Okay, good. The CYP enzyme is working in the liver because the vitamin D got activated. Now it goes to the kidney and it gets activated again with another CYP enzyme. Okay, great. The CYPs are working in the kidney. We’re good to go. Now we have this double-activated vitamin D. We can do all these good stuff. The signal that the vitamin D provides is a message that all those things are working. But if you take huge amounts of vitamin D supplements, you’re fooling the system because you’ve got so much more vitamin D that some of it gets activated. You get a level that appears to be the case that you’ve got healthy CYP enzymes. But you might not because you just put so much vitamin D into the system. You produced enough to fool the body into thinking the CYP enzymes are working properly. That’s why I think, you know. The answer is not to take huge amounts of vitamin D supplement.

DM: That is the best explanation I heard to recommend exposure to sunshine or ultraviolet light to increase your vitamin D rather than taking oral supplements.

SS: Right.

DM: That’s very good. SS: False message, you know. Anyway, getting back to the CYP enzymes, the eNOS is a CYP enzyme. CYP enzymes are disrupted by glyphosate. People have been successful in poisoning themselves with glyphosate in order to commit suicide. Many people are doing that in India are doing that, for example.

DM: A quarter million have been successful. SS: Yeah. It’s really scary. But when you take an excess of glyphosate, one of the first things that happen is something called disseminated intravascular coagulation (DIC). What that means is the red blood cells are basically coagulating the blood. They’re falling apart. Because they’re getting this massive exposure to glyphosate, they’re losing their cholesterol sulfate and they’re breaking over. The red blood cells are very sensitive to the glyphosate. Small amounts don’t cause anything that dramatic, but they interfere with the red blood cells’ ability to supply cholesterol sulfate to the tissues. And the heart. I think heart failure is a direct consequence of insufficient cholesterol and insufficient sulfate delivery to the heart.

DM: How does the eNOS enzyme impact that? Can you review that again?

SS: How does it do what?

DM: O eNOS, como isso entra na equação? A enzima eNOS.

SS: Bem, imensamente, porque produz sulfato. Escrevemos um artigo – e eu recomendaria se alguém quisesse aprender mais para ler este artigo. É de acesso aberto. Você pode obtê-lo na Web. Se você digitar “Seneff Moonlighting”, provavelmente encontrará. É chamado de “O óxido nítrico sintetase endotelial é uma proteína iluminadora da lua cujo trabalho diário é a síntese de sulfato de colesterol? Implicações para o transporte de colesterol, diabetes e doenças cardiovasculares. ”ENOS é uma enzima de dupla finalidade. Quando está ligado à membrana, produz sulfato. Quando separado da membrana e do citoplasma, produz óxido nítrico, que eventualmente se torna nitrato. É basicamente como, “Oxido o enxofre ou oxido o nitrogênio?” Essa é a escolha. É um mecanismo de controle muito complexo que permite que cada molécula eNOS alterne entre essas duas decisões. É importante que seja uma molécula que controla o sulfato e o nitrato, porque essas duas moléculas têm efeitos muito opostos no sangue. O sulfato gelifica o sangue e o nitrato o transforma em água. Chama-se kosmotropes e caotropes em termos químicos. Eles têm efeitos opostos. E o corpo está sempre negociando: “Qual caminho? Eu preciso estar aqui? Talvez o sangue seja muito espesso, [exista] muita viscosidade, vamos colocar um pouco de óxido nítrico. Ou talvez seja muito fino, coloque um pouco de sulfato. ”É capaz de titular muito bem os dois com essa molécula. [—– 10:00 —–] A eNOS no glóbulo vermelho fica sempre em volta das membranas. Eles não entendem por que está lá. Os artigos são escritos onde eles ficam intrigados, por que os glóbulos vermelhos têm eNOS, porque não há razão para que eles desejem produzir óxido nítrico. É como monóxido de carbono. Envenenaria a hemoglobina. Eles pensam: “Oh, bem, talvez seja vestigial.” É apenas uma loucura DM: Eles estão descontando totalmente o componente sulfato de colesterol.

SS: Exactly. They know the red blood cells make cholesterol sulfate. They know it’s essential to keep them from falling apart. But it never occurs to them that eNOS might be the molecule that’s playing that role to make the sulfated using the superoxide, which it produces when it’s on the membrane. It totally makes sense.

DM: Você poderia elaborar um pouco mais sobre como os eNOs fazem isso para produzir o sulfato de colesterol com o superóxido?

SS: Sim. Bem, superóxido é O2-. É um oxigênio com carga negativa. Você precisa ter mobilidade eletrônica para fazê-lo. Você tem que disparar um elétron na molécula de oxigênio. Você está recebendo o oxigênio do sangue, certo, porque você conseguiu. Você está respirando e o oxigênio está entrando no sangue, ó. O elétron vem dos glicosaminoglicanos sulfatados. É realmente interessante. Agora, no caso dos glóbulos vermelhos, eles têm o sulfato de colesterol que produz a água gelificada ao redor da célula …

DM: This is really interesting because in the past, I’ve interviewed Dr. Gerald Pollack at the University of Washington. He’s a biophysicist out there. His whole approach is on water and this gelling of the water. He calls it EZ water or…

SS: Exclusion zone.

DM: Água da zona de exclusão ou água basicamente estruturada. Ele está chamando de H₂O3, que fornece essa coisa. Talvez você possa comentar sobre isso e sua opinião. SS: Sim. É realmente fascinante porque cria esses hexágonos. Dois O3 fazem O6. Ele constrói um hexágono de água, que é semelhante aos hexágonos dessas moléculas que transportam sulfato. Eu acho que está conectado, esses anéis. Os anéis são realmente interessantes porque permitem que os elétrons circulem pelo anel. A água de que Gerald fala é cobrada negativamente. Afugenta prótons. Eles acabam aderindo ao longo da borda. Você tem essa foto como uma tigela de gelatina com água em cima. Entre a água e a gelatina, existem esses prótons que estão sendo empurrados para fora da gelatina. Eles acabam se formando ao longo desse limite entre a água e a gelatina. Esses prótons acabam com mobilidade. Eles podem se mover. Eu acredito que eles realmente entram no citoesqueleto e carregam a zona ácida como os lisossomos e o espaço intermembranar mitocondrial. Esses lugares precisam ser muito, muito ácidos, com muitos prótons. Eu acho que há todo um mecanismo no citoesqueleto. Estamos estudando isso para tentar ver se conseguimos obter evidências suficientes para reuni-las.

DM: Quem somos nós? Dr. Samsel também?

SS: Sim, Samsel também. E também tenho outras pessoas com quem estou trabalhando, particularmente Robert Davidson, que está realmente interessado nessa área. Ele é muito esperto. Ele tem um MD, PhD.

DM: Você definitivamente precisa nos manter informados sobre isso, porque é um trabalho fascinante.

SS: Sim. Estou pensando que os prótons atravessam o citoesqueleto para criar os ambientes muito ácidos que você precisa em alguns compartimentos da célula. Enquanto isso, os elétrons … Você está fazendo uma separação entre prótons e elétrons. É assim que você trabalha. Isso é basicamente como eletricidade.

DM: É eletricidade.

SS: Os elétrons acabam dentro da água estruturada. Eles também se tornam móveis. Você tem esses elétrons mobilizados. Se você tem uma molécula de gás oxigênio entrando, ela será atingida por um desses elétrons. Vai fazer O2-. O2-, você precisa de dois para fazer O4 (2-), certo? O2- O2- = O4 (2-).

DM: Certo. SS: Você coloca isso em um enxofre e você tem sulfato. Simplesmente falando, é isso que o eNOS está fazendo. O eNOS, na verdade, possui um átomo de zinco dentro da cavidade entre os monômeros e a estrutura mais escura do eNOS. Esse átomo de zinco tem uma carga positiva. Ele extrai o O2- e depois obtém esses enxofre da cisteína ao seu redor. É como um ambiente perfeito para pegar um desses enxofre e transformá-lo em sulfato daqueles O2 que estão chegando.

DM: O zinco é um catalisador importante para o processo. Se você é deficiente em zinco, não funciona.

SS: Sim. A deficiência de zinco é outro problema com o glifosato.

DM: Interessante. O glifosato causa deficiência de zinco, não é? O precipita.

SS: Sim. Quelata o zinco. É como todas essas outras coisas. Você acaba com deficiência de zinco mais a reação do glifosato com o lado ativo do eNOS que estraga tudo. Além disso, o glifosato traz o alumínio, que também retira o ferro da unidade heme do eNOS. O eNOS está sendo atacado de muitas maneiras diferentes pelo glifosato e pelo alumínio. Não pode fazer o seu trabalho. Você não pode produzir o sulfato e obtém essa deficiência de sulfato em todo o sistema. Isso persegue todas as doenças.

DM: Sim. É penetrante. Vamos voltar um pouco à luz do sol. Um dos perigos, e como mencionei na introdução, os dermatologistas não gostam do sol, porque acham que isso causa …

SS: Eu sei.

DM: Eles estão convencidos de que é totalmente responsável pelo aumento de câncer de pele. Mas vamos entrar em câncer de pele porque acho que está relacionado a esse mecanismo eNOS que você está discutindo com o óxido nítrico.

SS: É totalmente.

DM: Gostaria de saber se você pode expandir isso e como o glifosato pode estar relacionado ao aumento do câncer de pele.

SS: Eu acho que sim.

DM: Vamos dar uma olhada nisso.

SS: Eu acho que faz muito sentido. Porque se o eNOS é descarrilado, ele não pode fazer isso. Parte do que a síntese de sulfato está fazendo é protegê-lo da luz solar, porque você está usando essa luz UV para catalisar a coisa toda. Mas você também o absorve com segurança e evita danos danos em outros lugares. Esse mecanismo de produção de sulfato, uma das coisas realmente importantes que faz, é protegê-lo da luz solar. Ele também captura a energia da luz solar ao produzir esse ânion sulfato. Esta é uma maneira de basicamente usar uma energia solar, corretamente, em seu corpo. Faz sentido que todas as espécies vivas que tenham acesso à luz solar encontrem uma maneira de usá-la, porque a luz solar é uma fonte de energia livre.

DM: É uma energia livre, sim. SS: Você seria tolo em não usá-lo. Infelizmente, porém, a maneira como a usamos tem uma vulnerabilidade incrível ao alumínio e ao glifosato. O alumínio é na verdade protetor solar. Muitos dos protetores solares de ponta têm nanopartículas de alumínio – óxido de zinco e dióxido de titânio. O alumínio é adicionado para torná-lo emulsionado, então não é como essa pasta branca. Isso facilita a pulverização.

DM: Claro. Não é cosmeticamente elegante.

SS: Sim. O alumínio entra na pele e destrói totalmente o eNOS. DM: É absorvido pela pele. SS: Sim. E ele entra no eNOS e o destrói, porque o alumínio substituirá o ferro no grupo heme, o que fará com que o eNOS não funcione.

DM: Tem a mesma valência que o ferro? É 2+? SS: Sim. O alumínio é +3.

DM: Ah, +3, tudo bem.

SS: Pelo menos está bem estabelecido que o alumínio substitui o ferro no heme. Obviamente, isso também causará problemas no fígado, porque o heme faz parte das enzimas do citocromo p450, que possuem esse grupo de heme que contém ferro dentro desse anel de porfirina. O alumínio estraga tudo. E então você precisa basicamente dividir a coisa toda e construir outra. Você precisa começar tudo de novo depois de colocar o alumínio em vez do ferro. O eNOS não vai funcionar com o alumínio.

DM: Então, sua posição é que a exposição ao glifosato, que estamos pulverizando quase um bilhão, um bilhão de libras em um ano no meio ambiente, está aumentando o risco de câncer de pele por esse mecanismo?

SS: Eu acho que sim. Quero dizer, acho que está atrapalhando o eNOS. Claro, também está enjaulando o alumínio. Quando se aproxima dos sulfatos, torna-se ácido porque você tem esses prótons na borda. Eu falei sobre os prótons sendo empurrados para fora da água estruturada. Esse é um ambiente ácido. É aí que o glifosato libera seu alumínio. Tanto o alumínio quanto o glifosato se tornarão tóxicos nesse ponto. Está entregando no glóbulo vermelho e causando destruição da eNOS, o que evita que ele produza sulfato de colesterol e você tem essa incrível cascata de problemas depois disso.

DM: Você poderia explicar como isso diminui nossa capacidade de proteger nossas células dos efeitos tóxicos dos raios ultravioletas? Porque os raios ultravioletas podem ser perigosos. Não há dúvida. Ninguém está contestando isso. Mas se você é saudável, é sábio e tem uma exposição segura, não é um problema. Mas é, se você tiver exposição ao glifosato. Você pode explicar como diminui esse efeito protetor?

SS: Isso ocorre porque a água estruturada é capaz de absorver os raios UV e transformá-los em energia, em energia útil.

DM: Ok. E isso é por toda a pele?

SS: Sim, em toda a pele.

DM: A água estruturada é tópica?

SS: Sim.

DM: Ok.

SS: Há eNOS nessas moléculas que produzem o sulfato de colesterol. Eles também têm. Eles são capazes de produzir o sulfato na pele. Os glóbulos vermelhos, é claro, estão viajando pelas veias. Você tem todas aquelas veias que estão na superfície da pele. Eles também estão muito ocupados produzindo sulfato de colesterol quando vêem a luz do sol. Mas se eles não conseguem, esses raios UV se tornam tóxicos para as células e começam a fazer coisas como causar mutações no DNA e causar câncer. DM: Ok. SS: E, é claro, o alumínio no filtro solar está contribuindo para a ruptura da molécula eNOS. Não está claro que o filtro solar … acho que o filtro solar pode piorar as coisas.

DM: Ah, claro.

SS: Quero dizer, é interessante que o câncer de pele tenha aumentado em dois ou três por cento todos os anos desde a década de 1970. Desde então, aumentamos a urgência com que as pessoas usam protetor solar. Existe uma correlação muito forte entre o uso de filtro solar e o câncer de pele, o que é realmente bizarro porque …

DM: É uma correlação positiva, não negativa. [—– 20:00 —–]

SS: Uma correlação positiva, uma correlação positiva muito forte. Parece que o filtro solar está realmente causando o câncer de pele. E pode ser porque o alumínio no filtro solar está atrapalhando a maneira natural do corpo de desintoxicar o sol. Mas então você tem o glifosato também.

DM: Certo. Eu ia mencionar isso. Direita. Fale sobre o glifosato.

SS: Não sei se é o glifosato que está causando o aumento. É um pouco difícil de dizer, porque os dois estão subindo. O filtro solar e o glifosato [uso] estão subindo simultaneamente.

DM: E o glifosato também não funciona no eNOS. Funciona em outras áreas do corpo como …

SS: Funciona no eNOS. Faz. Ele interrompe o eNOS de maneiras diferentes da maneira como o alumínio interrompe o eNOS.

DM: Mas também funciona em …

SS: E também em ácido retinóico. Eu não mencionei isso.

DM: Ok.

SS: Mas o ácido retinóico do filtro solar também suprime a síntese de sulfato de colesterol. DM: Mas isso também afeta o caminho, o shika … eu tenho dificuldade em pronunciar. SS: Shikamate. DM: O caminho do shikamato no intestino, que os micróbios utilizam. SS: Sim. DM: Discuta essa conexão. SS: Bem, na verdade também há uma conexão lá, porque a cobalamina é produzida pelas bactérias intestinais e é produzida pelas bactérias que são interrompidas pelo glifosato, para que você tenha uma produção reduzida de cobalamina. Também discutimos a doença celíaca como baixa absorção de cobalamina. O cobalto é quelatado pelo glifosato e o cobalto é o principal átomo ativo da cobalamina. Em nosso artigo, mostramos como suspeitamos que a cobalamina ligada a uma molécula de glutationa esteja presente no lado ativo da eNOS quando ela produz o sulfato. Ele usa a cobalamina para segurar o átomo de enxofre que o transformará em sulfato. Acreditamos que a cobalamina desempenha um papel essencial na produção de sulfato na pele. A deficiência de cobalamina vai contribuir para o problema de não ser capaz de produzir sulfato.

DM: É fascinante como o glifosato interage com as bactérias microbianas. A maioria das pessoas sabe que temos cerca de 10 trilhões de células, nossas próprias células. Existem cem trilhões de bactérias. Mas as evidências mostram que, para todas as bactérias, existem 10 bacteriófagos ou vírus. Portanto, há um quatrilhão de fagos. Gostaria de saber se você analisou a influência do glifosato nesses fagos ou vírus. SS: Eu não olhei especificamente para essa conexão entre os fagos e o glifosato. Mas estou muito, muito fascinado por toda essa questão de todos esses vírus estarem disponíveis para fornecer material genético às células. Eu acho que houve uma grande mudança de paradigma na visão de como a evolução acontece. Alguns artigos recentes muito interessantes mostraram, por exemplo, que as células cancerígenas podem, antes de tudo, incorporar vírus em nosso DNA e, em segundo lugar, podem enviar milhares de DNA que podem acabar aparecendo nas células espermáticas. As células cancerígenas podem fornecer DNA para os espermatozóides. Os vírus podem fornecer DNA para as células cancerígenas. Você começa a perceber que existe essa enorme capacidade de se transformar em várias formas únicas ou de fornecer peças inteiras de material genoma desses vírus que podem servir a um propósito útil para se adaptar a um ambiente desagradável. Eu acho que houve uma nova visão, que é antiga, da evolução lamarckiana sendo realmente importante, não apenas DNA. Houve uma batalha inteira entre Lamarck e Darwin no dia em que eles … Darwin venceu basicamente e Lamarck argumentou que você poderia herdar uma característica adquirida. Como uma pessoa está experimentando a vida, as coisas que ela experimenta podem acabar influenciando o genoma ou o fenótipo de sua prole. Lamarck perdeu e Darwin venceu. Darwin disse que existem apenas mutações totalmente aleatórias, e as que sobrevivem – porque é uma sobrevivência do tipo mais apto – são transmitidas ao gene. Mas agora eles estão percebendo que existe todo um mecanismo pelo qual o DNA viral … acredito que o DNA viral pode acabar no esperma, o que significa que o esperma pode enviar essa mensagem para a próxima geração para produzir algo – alguma proteína, algum RNA regulador, ou o que for – que vem de um vírus. Pode ser até um desses … não sei. Pode até ser um desses bacteriófagos. Quero dizer, existem todos esses vírus, esses vírus de RNA reverso, como o papilomavírus humano (HPV) e o vírus da imunodeficiência humana (HIV). O câncer do colo do útero, por exemplo, é causado pelo… É realmente muito interessante que esses vírus tenham poucos fragmentos de material genético, que eu suspeito que desempenhem um papel importante ao permitir que a espécie evolua para poder lidar com um ambiente repentinamente tóxico . No momento, estamos sendo expostos a esse glifosato e a todos esses outros produtos químicos. Estamos desesperadamente tentando encontrar um caminho para uma nova solução que possa lidar com essas coisas sem entrar em todos os problemas que estamos enfrentando. Às vezes, acabamos com monstros e muitas vezes não funciona. Mas eles estão tentando todas essas idéias. E eles são inspirados. As idéias são inspiradas na experiência com o meio ambiente. Eles não são apenas aleatórios. Na verdade, eles são selecionados com muito cuidado para serem coisas importantes para resolver esse problema. Alterar um gene em particular em uma molécula em particular que é particularmente estressada por esse ambiente e tentar encontrar uma solução diferente que possa funcionar melhor. Eu acho realmente fascinante. DM: Ok. Bem, quero agradecer por suas idéias. Agradeço seu tempo e sua perspectiva sobre esse assunto, porque é importante. Não há dúvida. Eu realmente aprecio todo o trabalho que você está fazendo.

SS: Obrigado. [FIM] As idéias são inspiradas na experiência com o meio ambiente. Eles não são apenas aleatórios. Na verdade, eles são selecionados com muito cuidado para serem coisas importantes para resolver esse problema. Alterar um gene em particular em uma molécula em particular que é particularmente estressada por esse ambiente e tentar encontrar uma solução diferente que possa funcionar melhor. Eu acho realmente fascinante.

DM: Ok. Bem, quero agradecer por suas idéias. Agradeço seu tempo e sua perspectiva sobre esse assunto, porque é importante. Não há dúvida. Eu realmente aprecio todo o trabalho que você está fazendo.

SS: Obrigado. [FIM] As idéias são inspiradas na experiência com o meio ambiente. Eles não são apenas aleatórios. Na verdade, eles são selecionados com muito cuidado para serem coisas importantes para resolver esse problema. Alterar um gene em particular em uma molécula em particular que é particularmente estressada por esse ambiente e tentar encontrar uma solução diferente que possa funcionar melhor. Eu acho realmente fascinante.

DM: Ok. Bem, quero agradecer por suas idéias. Agradeço seu tempo e sua perspectiva sobre esse assunto, porque é importante. Não há dúvida. Eu realmente aprecio todo o trabalho que você está fazendo. SS: Obrigado. [FIM] Alterar um gene em particular em uma molécula em particular que é particularmente estressada por esse ambiente e tentar encontrar uma solução diferente que possa funcionar melhor. Eu acho realmente fascinante.

DM: Ok. Bem, quero agradecer por suas idéias. Agradeço seu tempo e sua perspectiva sobre esse assunto, porque é importante. Não há dúvida. Eu realmente aprecio todo o trabalho que você está fazendo.

SS: Obrigado.

[FIM] Alterar um gene em particular em uma molécula em particular que é particularmente estressada por esse ambiente e tentar encontrar uma solução diferente que possa funcionar melhor. Eu acho realmente fascinante.

DM: Ok. Bem, quero agradecer por suas idéias. Agradeço seu tempo e sua perspectiva sobre esse assunto, porque é importante. Não há dúvida. Eu realmente aprecio todo o trabalho que você está fazendo.

SS: Obrigado. [FIM]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *