How to Protect Yourself from Alzheimer’s: A Special Interview with Dr. David Perlmutter

By Dr. Joseph Mercola JM: Dr. Joseph Mercola DP: Dr. David Perlmutter JM: Alzheimer’s is an impending epidemic. Could it be that some commonly eaten foods are the primary culprit? Hi, this is Dr. Mercola, helping you take control of your health. Today we are joined by Dr. David Perlmutter, who is going to help us answer that question. He is a neurologist practicing in South Florida and has really one of the top-selling health books on the market today, which is Grain Brain. We’re going to certainly talk a little bit about that. I am just delighted to have the opportunity to interview him again. Well, first of all, welcome and thank you for joining us.

DP: I’m delighted to be here. Thank you for having me.

JM: Just sort of hitting the curiosity bone, I’m wondering if you could give us a little bit of your background to give people an opportunity to understand your frame and then how you came to this conclusion that brain dysfunction begins in the food that you eat, particularly our modern-day diet, which is typically high in grains.

DP: Let’s take a step back then – the modern-day diet. I mean, think about it. If our diet would have caused Alzheimer’s to such a great degree as it is doing today, we never would have survived. Obviously, something has turned the tide, something has changed here. It’s diet 100 percent. [So, let’s] take a step back. As mentioned, I’m a neurologist. I’m a board-certified neurologist, meaning I deal with brain disorders in adults and in children every day. A couple of decades ago (I’m kind of sorry to say), I became kind of dismayed with what I was doing. I was kind of basically treating symptoms, writing prescriptions to treat symptoms, of brain issues, but pretty much ignoring what was causing those symptoms. I distanced myself from a practice that had other neurologists. I went out on my own with the purpose of trying to bring the idea of preventive medicine to brain health. I think that’s what I made [as] my life purpose. I became a fellow of the American College of Nutrition, which seems very strange for a neurologist. And rather than make any great discoveries, I learned that our most well-respected peer-reviewed journals or literature were replete with information telling us that, in fact, diet does matter as it relates to the brain. It matters a whole heck of a lot. What we’ve crystallized down to in essence now is that diets that are high in sugar and carbohydrates, and similarly diets that are low in fat, are devastating to the brain. When you have a diet that has carbohydrates in it, you are paving the way for Alzheimer’s disease. I want to be super clear about that. We’ll talk about the references in a little bit. Dietary carbohydrates lead to Alzheimer’s disease. It’s a pretty profound statement, but it’s empowering nonetheless when we realize that we control our diet. We control our choices, whether to favor fat or carbohydrates. When the Mayo Clinic publishes in the Journal of Alzheimer’s Disease and tells us that diets rich in carbohydrates are associated with an 89 percent increased risk for dementia (whereas a diet that’s highest in fat is associated with a 44 percent reduced risk for dementia), we’ve got to pay attention to that. That’s information that people like you and I have to get out to anyone who will listen when we recognize that, as we have this conversation right now, there is absolutely no treatment for Alzheimer’s disease. And yet, according to Dr. Deborah Barnes, publishing in the journal Lancet Neurology, more than half the cases of Alzheimer’s disease today – 54 percent – could have been prevented had people gotten this information.

JM: I’m surprised it’s that low. I would have thought it had been closer to 95 percent.

DP: I agree. I think it’s much, much higher. People kind of expect senior moments are okay. They’re laughable. You walk into a room, and you don’t remember why. You forget your keys. You don’t remember your wife or whatever it is. You kind of laugh these things off as if they are acceptable senior moments. Not true – these things are harbingers for trouble down the line. The empowering part of the story is you can turn that around. You can regenerate cells in your brain’s memory center. Yes, you can grow back new brain cells; it’s a process called neurogenesis. I think you and I are going to talk about that in a little while. You can reverse that process and regain memory, amplifying your DNA to express brain growth hormone and allow you to grow back cells in your memory center. I think the first question is: what’s causing those cells to degenerate in the first place? I think what we’ve seen over the past five years are countless citations in the brain literature indicating that diets high in carbohydrate and elevation of blood sugar is directly related to shrinkage of your brain’s memory center. And size does matter when it comes to that. You can argue other points if you like. But when your hippocampus, when your memory center, shrinks, your memory declines. That’s devastating. That is the harbinger for Alzheimer’s disease. It’s the first place you look on a brain scan. But here is why we’re having this conversation today: (1) it is preventable and (2) more importantly, it’s reversible.

JM: Shortly before we’ve recorded this interview, there’s been a new major study published that is a meta-analysis that reviewed I believe 600,000 patients in 30 different studies about the importance of saturated fat, that it doesn’t cause all the heart disease and damage that we thought it did. This is quite a significant contrast to almost all the experts that you hear on TV or you read about in the newspapers and media. We’ve been saying for a long time that it’s not as damaging. But I’m wondering if you could give your perspective on that because I think we share similar viewpoints. DP: Oh, no question about it. I mean, I’ve been talking about the benefits of saturated fat in the human diet for a couple of decades. Really, this was a huge study – 500,000 to 600,000 individuals, 72 different studies. The conclusion was that yes, what we’ve been eating for the past two million years turns out to be what’s good for us.

JM: Big surprise.

DP: Fifty percent of the fat in human breast milk, for crying out loud, is saturated fat. Why do we give people coconut oil? It’s 90 percent saturated fat. Saturated fats cannot become oxidized. By definition, they cannot undergo free radical change – they can’t become damaged. This ridiculous vilification of saturated fat, I think, is finally being laid to rest. We have to welcome back to the table wonderful, healthgiving, brain-sustaining saturated fats. These are the types of discussions that I had in my lectures and with patients face-to-face as well. We’ve been led down the wrong road. Fat is your friend. You desperately need fat. You desperately need to have good cholesterol in your body. That war on cholesterol is a perversion of the science that was even used to tell us we should stop eating foods with cholesterol and lower our body’s cholesterol to levels that drive it into a ditch. We know quite well that in elderly individuals, for example, those in the highest level of blood cholesterol have about a 70 percent risk reduction for becoming demented. These are the things that are good for the heart. They’re good for the immune system. Cholesterol being the precursor of vitamin D, progesterone, estrogen, testosterone, and cortisol, you lower cholesterol, you know… This is probably one of the reasons why statin drugs are so damaging. You lower cholesterol, and you set the stage for things that are very, very worrisome. One study that came out in the journal Archives of Internal Medicine indicated that women who are given statin medications, oddly enough to lower their cholesterol, have about 44 percent increased risk for becoming a type 2 diabetic. What does that do to the brain? It doubles their risk for Alzheimer’s disease. It’s really a situation of “choose your poison.” I think you have to understand – you already understand, but I’m talking to your listeners…

JM: Sure, colloquially. DP: We’ve been eating a certain way for a long, long time. We’ve had lots of fat in our diets; we’ve never had carbohydrates. Maybe in the late summer or early fall, some fruit would ripen, and we could digest it. We would be drawn to fruit that has ripened because it’s sweet. That’s where we all have gotten our sweet tooth, because it tells us fruit is ripe and we should eat it because it’s good for us. That signaling mechanism, eating the sugar, would cause our body to make insulin, we’d lay down a layer of fat, and we’d made it through the winter. That is a mechanism that has allowed our species to survive. It’s allowed you and me to have this discussion today. The problem is people are consuming sweets 365 days a year for the winter that never comes, and thus the epidemic of obesity, which perfectly translates to, as you mentioned earlier, the epidemic of Alzheimer’s disease. Let me say, you said, “the upcoming epidemic of Alzheimer’s,” it’s already here.

JM: It’s here. [—– 10:00 —–]

DP: It’s five and a half million Americans. It’s a risk of 50-50, the flip of a coin, if you live to be age 85 years. I will tell you that the mission here is we’re going to change those odds. We’re going to change them dramatically by giving people the information about what they need to do today to turn the table, to change the tide here, and reduce their risk for this very crippling disease, which isn’t just so damaging for the person who’s afflicted by it but the loved ones and the family members who are affected by that as well. Personally, I’m going through that with my father right now. I really know what it’s like.

JM: Thanks for mentioning the current incidence of Alzheimer’s, which is about five million, as you said. The reason I mentioned the upcoming epidemic is, in my understanding, this disease is actually going to get worse, and the projections are one in three. Certainly, I don’t believe we have one in three. I’m not sure of the exact incidence right now, but I think it’s far lower than that. That’s just devastating – to lose your mind. Of course, you not only have an experience with that clinically, where you see a lot of patients with this on a regular basis, but also personally with your father. I’m wondering if you could expand on that, this comment, and then I want to talk about the carbohydrates and the fats again.

DP: If you’re going to take this conversation to carbohydrates and fat, you’ve led in beautifully to the explanation as to why we’re going to see a doubling of the number of individuals with Alzheimer’s by the year 2030. It’s currently costing us 200 billion dollars a year, which is twice of what we spend on cardiovascular disease. It’s triple of what we spend on caring for patients with cancer. That said, there’s a wonderful correlation. I say wonderful because it’s a leverage point for us. It’s a place where we can act between the rates of diabetes and the incidence of Alzheimer’s disease. Alzheimer’s is directly related to elevation of blood sugar. A study that was published in the New England Journal of Medicine in August 8th 2013 demonstrates that even mild elevation of blood sugar, 105 or 110, these levels were already dramatically associated with the risk for becoming demented. I’m seeing those levels every single day. What’s disheartening is that patients are coming to see me with these blood levels and were told by their treating physicians, “Oh, you’re only five or 10 points above normal. Don’t worry about it.” The problem with that is we do need to worry about it. We need to understand that according to probably the most well-respected medical journal on the planet, having a blood sugar of 105 or 110 is bad news indeed. It is not satisfactory. It’s not a pat on the back and, “Go out of the office and hope for the best.” It is time to dramatically change your diet, lower your blood sugar, and directly reduce your risk for becoming an Alzheimer’s patient. I’ll reiterate, a disease for which there is no treatment. That said, we definitely need to redefine what we call a normal blood sugar. Normal should not be the same as average; normal should be optimal and should be ideal. That’s what we should be striving for. That’s the information that your viewers really need. That is “What should my blood sugar really be?” I would submit anything over 92 to 93 in that range is too high. Now, let me just get into one other metric because it’s really very, very important.

JM: Before you get on the metric, let me just clarify that, too. When you say “blood sugar,” you’re talking about fasting blood sugar.

DP: Isso está em jejum de açúcar no sangue, certo.

JM: E então, se você puder apenas comentar sobre o que você acha que é o ideal. Você disse que não deveria estar acima de 92. Qual você acha que é o ideal?

DP: Eu gosto de açúcar no sangue 85 talvez até 95 no máximo. Mas, novamente, acho que 90 seria a ponta dessa curva de sino. Os anos 80 superiores são perfeitamente razoáveis. JM: Mas há um limite mais baixo que você gostaria? DP: Bem, acho que realmente depende se essa pessoa adaptou seu corpo à queima de gordura. Temos que qualificar essa resposta um pouco. Pessoas que seguem uma dieta rica em gordura e com pouco carboidrato são capazes de aproveitar a gordura corporal como recurso energético. Eles sofreram uma mudança chamada ceto-adaptação. Isso significa que eles estão queimando gordura e podem sobreviver com muito menos açúcar no sangue, porque estão queimando gordura e não precisam realmente se preocupar tanto com açúcar no sangue. Essa noção do cérebro precisa do açúcar ou ama o açúcar também é uma notícia muito antiga. A gordura, especificamente cetonas, que seu corpo produz ao metabolizar sua gordura, agora é chamada de “super combustível do cérebro”. Existe até um produto farmacêutico, um alimento médico, que você pode escrever como receita médica, o que aumenta o nível de cetonas ou gordura na corrente sanguínea dos pacientes, oferecidos agora como tratamento para a doença de Alzheimer. Quem sabia? O ponto é que o cérebro adora queimar gordura. É para isso que precisamos mudar.

JM: Ok. Obrigado por expandir isso. A razão pela qual mencionei a questão da gordura saturada é que conversamos sobre o aumento na quantidade de carboidratos como sendo o principal fator responsável por esse aumento nas doenças cerebrais e na doença de Alzheimer. Claro, existem apenas três nutrientes que podemos escolher: carboidratos, proteínas, e gordura. Quero dizer, basicamente é isso. Se abaixarmos os carboidratos, teremos apenas duas opções. Você tem que substituí-los por alguma coisa. As opções são gordura ou proteína. Acho que ambos concordamos que a quantidade de proteína que você deve comer não deve ser tão alta, porque se for muito alta, você tem um problema. Isso significa apenas que você tem uma variável que pode escolher, que é aumentar a gordura. Por que você não nos dá sua perspectiva sobre isso por um momento: que tipos de gordura? Porque não é apenas qualquer gordura. Se formos tomar margarina ou batata frita, isso não vai funcionar. Obviamente, batatas fritas porque é um carboidrato, mas, eu não sei, rosquinhas? Por que você não …

DP: Mas não faz muito tempo – me corrija se eu estiver errado – quando estávamos vendo anúncios na televisão para comer mais margarina e menos manteiga.

JM: Ah, claro.

DP: Porque a margarina salvaria sua vida e a manteiga o colocaria em seu túmulo. Nada está mais longe da verdade. Você está certo. A maioria dos estudos alimentares que você vê hoje em dia mantém a proteína praticamente a mesma (isso não é realmente uma variável) e compara variações de calorias gordas com calorias de carboidratos. Todas as dietas com pouca gordura que ainda são popularizadas pela American Heart Association e pela American Diabetes Association até hoje, por padrão…

JM: As we speak!

DP: Have higher levels of carbohydrates. It absolutely is not in line with current science. I don’t know where to begin in terms of what’s going on there. I would submit that sometimes people say, “Follow the money,” whatever. You’ve got to understand that we’ve got to get rid of the carbs and welcome the fat back to the table. Again, you made a very good point that the type of fat we choose to consume is fundamentally meaningful in terms of health. If you’re eating trans fats, hydrogenated, modified fats, or fats that have been modified in such a way to extend their longevity on the grocery store shelf, those are like coffin nails. You’ve got to avoid them. But avocado, olive oil, nuts, and seeds… If you choose to eat meat, it’s got to be grass-fed beef and wild fish. These are wonderful sources of healthful fat. Coconut oil, your body is going to love you for it. The idea of coconut oil being a food that is going to help you with longevity and stave off disease, that research is brand-new. It was only published about 3,000 years ago in the Vedic texts. This is what we’ve always eaten. Now suddenly, we’re scientizing our recommendation that you should eat this and that, and it’s just totally off-base. Let me make one other point if I could. You said fat, protein, and carbohydrates – the Big Three in terms of food. That said, we’ve got to understand two things: (1) the human requirement for carbohydrates is zero. We require no carbohydrates in the diet, unlike fat and protein. (2) Well beyond the sources of calories that we take in, food is information. The foods that we choose to consume are instructing our DNA in terms of its expression. This is called epigenetics. How empowering is that? I make this point because our genome takes 50,000 to 70,000 years to make significant changes to adapt to new environments and adapt to new foods. We are instructing our genome with this perverted information by giving our genomes signals from high levels of processed foods and carbohydrates. To me, that is job one – it’s to get people to understand that you are affecting your gene expression and giving it bad information. This is a cornerstone, a player, in terms of almost every health malady that we are trying to deal with today.

JM: Great. I’d like to finetune the discussion on the importance of making the transition from what you mentioned earlier – from carb-burning as your primary fuel to fat-burning. It’s my impression that anyone who has insulin and leptin resistance, which I believe is about 85 percent of the population, is probably in carb-burning mode as their primary fuel. That speaks to the majority of the people in the country (maybe not the majority of people listening to this). [—– 20:00 —–] One of the tools that I’ve found particularly useful is intermittent fasting, which really is a phenomenally powerful jumpstart to do that. But here’s the question: assuming a person does this and they are able to resolve their insulin resistance, their fasting insulin level goes below 3; their fasting blood sugar is 80 or 75; they don’t have any heart disease, diabetes, or disturbed cholesterol ratios; and they’re obviously in their normal bodyweight. If that’s the case, I’m thinking, you know… I’ve sort of evolved my thinking on this with respect to the fact that maybe going in full-time ketosis or really extremely low carbohydrates may not be the best approach and that it might be wiser to replicate our ancestral models, which were essentially feast or famine. Today everyone’s on a 24-hour feast and they never have any famine. While we can address that with intermittent fasting, maybe the converse may be as equally as bad, where we have a 24-hour famine. To actually go through the cycles where you can have extra carbohydrates, you can feast, you can enjoy life, and go to parties and celebrate as long as you keep your ability to burn fat, which you can monitor by those criteria that you just mentioned… DP: Good points. In Grain Brain, in the intervention part of the book, we begin that with a fast. What I tell my patients is that, “What we’re going to do for you is press the Reset button. We’re going to start you over, and we’re going to do it in an aggressive way. We’re going to reboot this hard drive here.” You know, fasting does a lot of things. It allows people to make better connection with themselves and to have gratitude for the fact that we do have food, and that gratitude extends to all the things that we do have. Fasting has been a part of every major religion’s tradition as far as history tells us whether it’s the fast of Ramadan, the fast of the Yom Kippur, or Jesus fasting 40 days before his public ministry. Fasting is a great way to reconnect with whatever spiritual doctrine you ascribe to, and more importantly I believe to reconnect with yourself. But that said, fasting does the things that you say it does. It allows us to amplify gene expression. Sirtuin gene, for example, amplification to allow us to reduce inflammation, increase antioxidant coverage, and change how we metabolize things like carbohydrates and fat more importantly. I like the feast and famine part of your discussion, where we get to feast for 24 hours. I’ve never actually done that, but that sounds like a heck a lot of fun. The point is…

JM: Well, not 24 hours, but you just go out of the point where you’re radically restricting your carbohydrates for long-term, indefinitely essentially.

DP: Sim. Eu direi que eu sou realmente agressivo sobre isso naqueles indivíduos que são resistentes à insulina / leptina. Eu acho que é realmente bom atingir esses pacientes de forma muito agressiva com carboidratos extremamente baixos. Até o Dr. Atkins, algumas décadas atrás, na fase de indução do programa Atkins, apresentava níveis requintadamente baixos de carboidratos, provavelmente pelo mesmo motivo. Mas uma vez que levamos as pessoas ao estado estacionário, gostamos de, você sabe … Ficamos confortáveis ​​com 60 a 80 gramas de carboidratos por dia, o que provavelmente é talvez 20% do que as pessoas normalmente comem nos Estados Unidos, se não mais. Vemos uma retomada da sensibilidade à insulina e à leptina. Você mencionou a tentativa de manter os níveis de insulina abaixo de 3. Novamente, o chamado nível “normal” de insulina é 26. O que significa 25 ainda é um intervalo normal? Caramba! JM: Isso está em jejum?

DP: Se alguém tem um nível de insulina de 26, está profundamente enganado. Eles precisam de muito trabalho. Eles precisam jejuar. Eles precisam soltar os carboidratos. Eles precisam adicionar de volta a boa gordura. Eles precisam adicionar alguns agentes anti-glicilação, como benfotiamina e resveratrol. Precisamos atingir essas pessoas agressivamente. É isso que funciona. É isso que reduz o risco de conversão em diabetes e, portanto, tem um papel enorme a desempenhar na proteção de seus cérebros.

JM: Ok. Você mencionou algumas coisas. Mas existem outras opções cotidianas em seu programa de reabilitação cerebral que as pessoas podem se beneficiar ao ouvir agora?

DP: Eu não sei por onde começar. Eu diria que talvez a intervenção mais subestimada não seja um alimento, mas um exercício aeróbico. Eu já superei isso com meus pacientes. Quando escrevo a lista de vitaminas, a primeira coisa que abordo é o exercício, porque isso está além do fato de queimar calorias, o que provavelmente não está no topo da lista de por que é importante. O exercício aeróbico é um poderoso agente epigenético. É uma maneira poderosa de mudar sua expressão genética para codificar coisas que lhe darão uma vida mais longa e saudável. O exercício reduz a produção de radicais livres a longo prazo. Reduz a inflamação. Do meu ponto de vista, por que é tão importante é que foi demonstrado que o exercício aeróbico altera a expressão gênica e ativa basicamente o hormônio do crescimento cerebral, que segue o acrônimo ou as iniciais BDNF, fator neurotrófico derivado do cérebro. Dito isto, este é basicamente um hormônio que codifica a capacidade do cérebro não apenas para se reparar, mas para realmente desenvolver novas células cerebrais, o processo chamado neurogênese. Quero dizer, quem sabia que o cérebro humano tem essa capacidade inacreditável de cultivar novas células cerebrais? Me corrija se eu estiver errado, mas quando estávamos na faculdade de medicina, eles nos disseram que isso não aconteceu. esse é basicamente um hormônio que codifica a capacidade do cérebro não apenas de se reparar, mas de desenvolver novas células cerebrais, o processo chamado neurogênese. Quero dizer, quem sabia que o cérebro humano tem essa capacidade inacreditável de cultivar novas células cerebrais? Me corrija se eu estiver errado, mas quando estávamos na faculdade de medicina, eles nos disseram que isso não aconteceu. esse é basicamente um hormônio que codifica a capacidade do cérebro não apenas de se reparar, mas de desenvolver novas células cerebrais, o processo chamado neurogênese. Quero dizer, quem sabia que o cérebro humano tem essa capacidade inacreditável de cultivar novas células cerebrais? Me corrija se eu estiver errado, mas quando estávamos na faculdade de medicina, eles nos disseram que isso não aconteceu.

JM: That’s right. DP: It’s new information. Where your brain regrows itself is in the memory center, of all places, by the grace of God. That is in the Grain Brain program, which is focused on low-carbohydrate and high-fat. It’s focused on avoiding gluten. But it’s also really involved in the importance of aerobic exercise.

JM: Do you discriminate anaerobic? Because I started aerobic exercise about 45 years ago after reading Dr. Cooper, who actually coined that term “aerobics,” and sort of abandoned it after 40 years, realizing that there are probably better ways that may be more time-efficient, such as high-intensity exercise training, where you’re really bringing your heart rate to a max. You’re essentially getting the equivalent of an hour to two hours of exercise in 20 minutes. I’m wondering if you can incorporate that in your program.

DP: That is specifically what we recommend. Oddly enough, the 20-minute program, about 140 minutes a week, is what was actually studied in the proceedings of the National Academy of Science and published in 2011. There were two groups. The one arm, the one group, did that. They did aerobic exercise for 20 minutes over the course of a one-year period versus a group that did stretching. What they found was (they actually measured the size of the brain’s memory center) the group doing the aerobics grew a bigger hippocampus, a bigger memory center, compared to the group that stretched. The BDNF levels, the brain growth hormone levels, were much higher in the group doing the 20 minutes of aerobics. Finally, actual test of memory function demonstrated improvement in the group that participated in the aerobics. They improved their memory. There is not a pharmaceutical agent on the planet that can make that claim. All you got to buy is a pair of sneakers. You don’t have to buy a drug; there is no drug.

JM: Interesting. Are there any other aspects of the Grain Brain program you’d like to share now? DP: I think that, again, the main object is to let people know that a low level of ketosis, of fat-burning, is really regarded by many now to be pretty much the natural state of humans. We’re trying to keep people in a low grade of ketosis. Those individuals who already have existing neurologic problems like Parkinson’s, Alzheimer’s, or Lou Gehrig’s disease (ALS), we push it even further to the extent that they’re on a very aggressive ketogenic, fat-burning diet, giving them good dietary fat to burn while cutting their carbohydrates. We go so far as to have them check their urine with what are called keto sticks. You can buy them at the pharmacy. Ninedollar bottles will last you a year. You’re able to check yourself at home by checking your own urine to determine if you are in ketosis, if you are burning fat. That is the most therapeutic program for the brain. Now, there are certain nutritional supplements that the Grain Brain program talks about. I happen to be very fond of the spice turmeric because of its anti-inflammatory potential and its ability to also turn on BDNF, the hormone that’s involved in brain health. The literature that talks about turmeric being good for the brain, that’s really brand-new as well. That only goes back another 3,000 years to the Vedic text, where turmeric has been part of the Indian culture in curried foods for a long, long time. The other thing I think is so fundamentally important in the Grain Brain Program is to embrace those laboratory studies that you and I have already talked about to some degree. Get a real good sense not just of your fasting blood sugar and what that happens to be today, but what has your blood sugar averaged to over the past three or four months as indicated by what is called the A1c. In addition, as you’ve mentioned, fasting insulin is a powerful way to understand where you are on the scale of insulin sensitivity or more importantly insulin resistance. [—– 30:00 —–] We do a test called Cyrex [Array 3], which is a measurement of gluten sensitivity – a very, very good test. I think when you have these tests under your belt, you get a great understanding in terms of where you are and more importantly what you need to change. The other test that I think is so important is to have your vitamin D level checked. Everybody says, “How much vitamin D should I check?” I say, “I don’t know.” I do that because I love to see the look on their faces like, “What do you mean you don’t know? You wrote a book about it.” I said, “No, I have no idea about what you should take. Let’s take your blood level and see what your current dose of vitamin D is doing.” Because some people need 5,000 units of D3 a day; some people need 10,000. I need 10,000 units a day to get my blood level to the optimal level of around 70, 80, and 90. The units are nanograms per milliliter. The units, for your listeners in other countries like Canada, for example, are different. So, 70 to 90 doesn’t necessarily apply to Canadian…

JM: Yeah, they have to multiply it by 2.5. DP: Yeah, exactly 2.48. Around the world, there are different parameters that are used. I would suggest that you target yourself to be in the high normal range of whatever the laboratory results are that you’re getting. Again, vitamin D is obviously a misnomer. It’s not a vitamin at all. “Vitamins” define a group of chemicals basically that must be in the human diet for sustaining health, without which you would experience a disease, whether it’s scurvy from vitamin C, beriberi from vitamin D deficiency, pellagra, or whatever it may be. We don’t make these things. We need them in our diet. But the point is we do make vitamin D in our bodies, and therefore it’s strictly, by definition, not considered a vitamin. It’s a steroid hormone that we manufacture out of, who knew, cholesterol. Again, the notion of this war on cholesterol and then drops your vitamin D level down into a ditch is something we need to think about.

JM: The only modification to that recommendation would be, especially with someone like yourself who lives and practices in South Florida, would be to ditch the oral vitamin D and expose your skin. I haven’t taken oral vitamin D for, like, four years, and my level’s still about 70 because I make it a point to get really tan all the time and spend as much time as I need to do that. Now, it’s obviously not going to be possible for most people to do that. But for those who do live in those areas, certainly in the summer, [it’s possible] to structure their schedules, so they can have that opportunity to get that sun exposure, which I think provides more benefits than oral vitamin D.

DP: Acho que estamos apenas começando a entender isso. Ao longo dos anos, houve uma batalha incrível contra a exposição ao sol por nenhum outro motivo, porque sabemos que a exposição ao sol causará câncer de pele, coisas terríveis acontecerão e seus filhos poderão nascer nus. Eu não sei, coisas terríveis. Mas o ponto é, curiosamente, estudos têm mostrado, por exemplo, que as pessoas que usam mais protetor solar têm o maior risco de câncer de pele. Quem sabia? Temos que reavaliar isso. Como éramos? Éramos indivíduos nus ao sol a maior parte do dia, produzindo vitamina D e quem sabe quais outros benefícios à saúde derivaremos disso – modificação da produção de melatonina, você sabe. Muitas coisas estão relacionadas à exposição ao sol. Seu ponto é correto e correto.

JM: Ok, vamos voltar um pouco à dieta e falar sobre sua influência no microbioma. Apenas para uma breve revisão, temos cerca de 10 trilhões de células aproximadamente em nosso corpo. A maioria dos especialistas acredita que existem cerca de cem trilhões de bactérias. O que me surpreendeu recentemente ao descobrir é que isso vai além disso. Existem fagos bacterianos que superam o número de bactérias em dezenas, então há um quadrilhão de fagos bacterianos em nosso intestino. Um dos poderosos benefícios de adotar as recomendações alimentares que você está aconselhando no Grain Brain é sua influência nesse microbioma. Estou começando a acreditar que esses benefícios podem até ser a principal razão pela qual essa abordagem funciona independentemente de sua influência nos efeitos metabólicos. Eu estou querendo saber se você pode comentar sobre isso. DP: É profundo. Esse tipo de conversa me mantém acordada à noite, tenho que admitir. É porque somos muito ignorantes desse potencial e do que realmente está acontecendo. Temos a noção de que somos essa unidade autônoma que pode fazer tudo o que precisa, todas as enzimas de que precisamos – estamos prontos para partir. Nós somos tão vitalmente dependentes do nosso microbioma, que se estende muito além do intestino. As bactérias são difundidas por todo o corpo humano – nos órgãos genitais, na boca, nos ouvidos e na pele. Agora estamos vendo relatos de vírus e pelo menos evidências de RNA, de bactérias, que residem normalmente no cérebro humano. Anteriormente, tivemos uma discussão sobre epigenética, sobre como nossas escolhas alimentares e exercícios influenciam a expressão do nosso DNA normal e quão excitante é isso. Mas quando você multiplica a quantidade de material genético em nosso corpo por mil vezes – esse é o número de espécies de bactérias que vivem dentro de nós – pense no potencial epigenético de cada pedaço de alimento que você come em termos de alterar a expressão gênica dessa substância. população bacteriana residente que vive dentro de nós. Essa é a população que está desempenhando um papel importante na condução do equilíbrio imunológico, na regulação da quantidade de inflamação em nossos corpos. Isso regula o apetite. Isso regula nossos neurotransmissores que nos fazem sentir felizes ou tristes. Isso é ditado em grande parte pela saúde de nosso microbioma, tão dramaticamente influenciado não apenas por nossas escolhas alimentares, mas por muitas escolhas – se somos expostos a antibióticos com todo resfriado, se escolhemos beber água clorada (que mata bactérias), se nascemos por cesariana ou passamos pelo canal do parto (onde recebemos nossa inoculação de organismos que ajudam a estimular o sistema imunológico), se fomos amamentados ou não, se recebemos várias imunizações ou não. Atualmente, há muita literatura indicando que, embora tenhamos falado sobre a sensibilidade ao glúten como levando ao vazamento do intestino e como isso pode levar à inflamação, há muitas informações indicando que o glúten pode desempenhar algumas de suas funções. papel prejudicial pelas mudanças que ele transmite no microbioma, nas bactérias dentro do intestino, quando esse alimento é consumido. Temos um novo diário (falamos sobre isso antes de irmos para esta gravação) chamado Brain and Gut, que será lançado no próximo ano.

JM: Você é modesto demais para dizer isso, mas na verdade é o editor-chefe desta revista.

DP: eu sou. JM: Isso é uma honra, porque acredito que há pessoas de Harvard que começaram este jornal e convidaram você para ser o editor. DP: É uma honra. Não vou lhe dizer que não é porque não estou na medicina acadêmica; Eu estou no consultório particular. Acredito que será revolucionário quando finalmente abraçarmos a noção de que o que está acontecendo no intestino está desempenhando um papel fundamental na forma como nosso cérebro funciona momento a momento – nosso humor, nossa capacidade cognitiva, nossa capacidade de prestar atenção na aula quando crianças , por exemplo, e até mesmo nosso risco de doença de Alzheimer. Acabei de revisar um estudo muito interessante que correlacionava o risco de se tornar um portador de Alzheimer nos países e se correlacionava perfeitamente com o grau de higiene no país, medido pela quantidade de certos parasitas encontrados no intestino. Os países que têm muitos parasitas no intestino como marcador de falta de higiene tiveram o menor risco de Alzheimer. Os países onde não havia parasitas no intestino ou muito poucos, países onde temos grande higiene e estamos sempre lavando as mãos e esterilizando isso e aquilo, o risco de ser um paciente de Alzheimer aumenta dramaticamente nesses países. Quem sabia? Quem sabia que a sujeira é boa, que comer alimentos com um pouco de sujeira pode ser boa e que entregar nossos filhos pelo canal do parto é tão importante para a construção de seu microbioma desde o primeiro dia. Temos muito a aprender. Com referência à nossa nova revista Brain and Gut, temos muito a explorar no futuro.

JM: Sim, de fato. Falamos sobre o seu programa ser útil para o tratamento da doença de Alzheimer e implicar outras formas de demência, porque Alzheimer não é, obviamente, o único tipo. Mas me pergunto se é útil para outros tipos de problemas que os neurologistas costumam ver, que devem ser coisas como Parkinson, enxaqueca, convulsões e até doenças auto-imunes como esclerose múltipla (EM). Estou imaginando se você poderia apenas… [—– 40:00 —–]

DP: Todas as opções acima. Existe uma caixa para verificar todas as opções acima? Absolutamente. Não existe uma dieta boa para a EM, uma dieta boa para demência e uma dieta boa para transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Por que isso seria? Existe a dieta certa para o cérebro. As convulsões respondem maravilhosamente a uma dieta pobre em carboidratos e rica em gordura. É chamado de dieta cetogênica. Foi realmente o primeiro tratamento intervencionista para epilepsia desenvolvido em 1928. Essa é uma longa história. Esse foi o primeiro tratamento para epilepsia. Como mencionei, até a medicina convencional agora está adotando a noção de que a gordura alimenta o cérebro e criou um alimento médico para o qual as pessoas podem prescrever uma receita. Fazemos exatamente a mesma coisa para o Parkinson. A taxa na qual um paciente de Parkinson irá declinar se correlaciona perfeitamente com o açúcar no sangue. O risco de desenvolver Parkinson aumenta dramaticamente se você é diabético e, é claro, existem as toxinas ambientais que também desempenham um papel significativo. Enquanto conversamos sobre isso, ninguém chegou a entender por que os pesticidas estão relacionados ao aumento dramático do risco de Parkinson. Por que você acha que pode ser? É porque pesticidas e alimentos carregados de pesticidas alteram o microbioma, aumentando a inflamação, aumento da produção de radicais livres no cérebro – essa é a pedra angular do mal de Parkinson, MS e Alzheimer. Tudo está começando a circular de volta para a incrível rede que é lançada por essas bactérias que vivem dentro de nós. Eu acho que o ponto de tração para nós é o que fazemos com essas informações desde o primeiro dia? Como protegemos esse microbioma? Isso significa pensar duas vezes na próxima vez que você tiver um resfriado e pedir ao médico para prescrever uma receita que ele chama pelo telefone sem nem mesmo vê-lo. Essas são coisas importantes para prestar atenção nos dias de hoje. O uso excessivo de antibióticos, além de seu papel na criação de organismos resistentes a medicamentos, está realmente mudando significativamente o microbioma desse indivíduo e com efeitos colaterais duradouros. Por mais louco que pareça, uma das modalidades que estamos empregando em nossa prática para tratar certos problemas neurológicos é o transplante fecal, ou seja, fazer com que nossos pacientes recebam material fecal dado a eles através de um enema de um indivíduo saudável. Estamos vendo resultados impressionantes aplicando essa tecnologia a condições neurológicas. Não sei se você esperava esse.

JM: Não. Isso é emocionante. Eu tenho alguma experiência pessoal com transplantes fecais. Minha namorada, um de seus parentes, acredito que seu tio, teve infecção por Clostridium difficile (C. difficile). Ele entendeu por complicações de ser tratado de um câncer que não tinha. DP: Oh, meu Deus.

JM: Imagine isso. Enfim, ele estava muito doente. Eu recomendei transplantes fecais. Eu não estava ele participando ou seja, fazer com que nossos pacientes recebam material fecal dado a eles através de um enema de um indivíduo saudável. Estamos vendo resultados impressionantes aplicando essa tecnologia a condições neurológicas. Não sei se você esperava esse.

JM: Não. Isso é emocionante. Eu tenho alguma experiência pessoal com transplantes fecais. Minha namorada, um de seus parentes, acredito que seu tio, teve infecção por Clostridium difficile (C. difficile). Ele entendeu por complicações de ser tratado de um câncer que não tinha.

DP: Oh, meu Deus.

JM: Imagine isso. Enfim, ele estava muito doente. Eu recomendei transplantes fecais. Eu não estava ele participando ou seja, fazer com que nossos pacientes recebam material fecal dado a eles através de um enema de um indivíduo saudável. Estamos vendo resultados impressionantes aplicando essa tecnologia a condições neurológicas. Não sei se você esperava esse.

JM: Não. Isso é emocionante. Eu tenho alguma experiência pessoal com transplantes fecais. Minha namorada, um de seus parentes, acredito que seu tio, teve infecção por Clostridium difficile (C. difficile). Ele entendeu por complicações de ser tratado de um câncer que não tinha.

DP: Oh, meu Deus.

JM: Imagine isso. Enfim, ele estava muito doente. Eu recomendei transplantes fecais. Eu não estava ele participando Não sei se você esperava esse. JM: Não. Isso é emocionante. Eu tenho alguma experiência pessoal com transplantes fecais. Minha namorada, um de seus parentes, acredito que seu tio, teve infecção por Clostridium difficile (C. difficile). Ele entendeu por complicações de ser tratado de um câncer que não tinha.

DP: Oh, meu Deus.

JM: Imagine isso. Enfim, ele estava muito doente. Eu recomendei transplantes fecais. Eu não estava ele participando Não sei se você esperava esse.

JM: Não. Isso é emocionante. Eu tenho alguma experiência pessoal com transplantes fecais. Minha namorada, um de seus parentes, acredito que seu tio, teve infecção por Clostridium difficile (C. difficile). Ele entendeu por complicações de ser tratado de um câncer que não tinha. DP: Oh, meu Deus. JM: Imagine isso. Enfim, ele estava muito doente. Eu recomendei transplantes fecais. Eu não estava ele participando

[physician]

, Apesar. A família dela decidiu ignorá-los, confiou no médico assistente e ele morreu três dias depois. É uma infecção muito ruim. Esses transplantes fecais funcionam. DP: A eficácia no tratamento de Clostridium difficile que você descreve agora é de 93% usando transplante fecal. Existem equipes de pesquisa que são as melhores instituições para explorar isso. Essa é uma terapia totalmente nova. Foi descrito apenas por Nei Jing, O Imperador Amarelo, no século IV aC na China. Novamente, isso é novinho em folha, quente na imprensa.

JM: Sim, de fato. Tudo bem, agora que todos estamos entusiasmados com o potencial do programa Grain Brain, pergunto-me se você pode nos dar uma amostra de um dia de menus que seria fácil de seguir e qual seria um bom exemplo do que você está tentando ensinar através do livro.

DP: Eu diria que o jogador mais importante é favorecer vegetais coloridos acima do solo – acima do solo, porque eles não contêm muito amido, que seu corpo imediatamente decompõe em açúcares simples. Bem-vindo de volta coisas como couve, acelga, couve, oh meu Deus, brócolis e espinafre. Estes são apenas alimentos maravilhosos para o seu corpo. Muita fibra. Quando dizemos às pessoas que vão desistir de seus grãos, sua primeira pergunta é: “O que vou fazer com as fibras?” É sobre isso que estamos falando em termos desses alimentos. Agora, acho que quanto menos cozinharmos com comida, melhor, principalmente no que se refere ao microbioma. Penso que, se você optar por comer carne, deve escolher carnes alimentadas com capim e criadas de maneira orgânica. Não existe alquimia que acontece quando o gado recebe grãos geneticamente modificados, tratados com antibióticos e hormônios, e quem sabe mais o quê. Acontece que não existe alquimia para criar essa carne maravilhosa. Você tem que ser super seletivo. De um modo geral, a literatura que fala sobre os perigos da carne no que diz respeito à saúde, acho que essas citações estão no alvo, porque a carne, em geral, é um alimento perigoso, com exceção, na minha opinião, dos capim. produtos alimentícios – peixe selvagem em oposição ao Frankenfish criado em fazenda e tratado com antibióticos, frango criado a pasto se você optar por comer carne e ovos criados em fazenda ou criados a pasto também. Analisamos os alimentos em termos de como eles vão nos tratar com relação à inflamação e sabemos que, por exemplo, os ovos criados em fábricas são cerca de 14 vezes mais ricos em ácidos graxos ômega-6, os ácidos graxos pró-inflamatórios, em comparação com os ovos naturais criados a pasto e ao ar livre. Pessoalmente, começo meu dia com uma omelete de três ovos. Tenho couve, espinafre, brócolis ou qualquer outro vegetal que tenhamos tido na noite anterior. Eu uso muito e muito azeite. Costumo comer queijo de cabra. Eu tomo uma xícara de café todas as manhãs. Eu almoço principalmente vegetais. Geralmente, eles são cozidos no vapor ou crus. Costumo colocar legumes no liquidificador como estão. Temos uma fonte maravilhosa de vegetais orgânicos. Freqüentemente, eu não os lavo. Quem sabia? Deixe um pouco de sujeira; é bom para você. Eu acho que o jantar pode ser praticamente o mesmo. Se você optar por comer carne, costumo favorecer essa pequena refeição de proteína no final do dia, reconhecendo que o ponto focal da refeição não deve ser o prato de carne; ainda deve ser os vegetais. Dito isto, no que diz respeito ao microbioma, acho que os alimentos fermentados realmente têm um papel importante a desempenhar, fornecendo a reinoculação do microbioma e fornecendo o que você precisa como prebiótico para ajudá-lo a cultivar as bactérias que vivem dentro de você. Esse é outro impulso para o seu corpo digerir vegetais, em vez de realmente cozinhá-los.

JM: Ótimo. Uma das coisas com as quais concordamos é que é a qualidade dos produtos que faz uma diferença grande e importante. Se você está apenas cultivando produtos convencionalmente em fazendas industriais, basicamente cultivadas em solo deficiente em nutrientes, não terá produtos de alta qualidade. Idealmente, você mesmo cresce. Provavelmente, quando as pessoas ouvirem isso, será primavera ou verão, pelo menos quando for transmitido pela primeira vez. Essa é uma opção. Mas mesmo assim, muitas pessoas não têm tempo, esforço, ou energia para fazer isso. Mas um dos processos que venho promovendo e incentivando as pessoas a considerar é algo tão simples quanto surgir. Não em frascos de bolas, o que tenho certeza de que muitas pessoas já fizeram, mas cresceram em pequenas bandejas para vasos, talvez 10 por 10 polegadas, para que em 10 dias – literalmente 10 dias – você possa colher alimentos incríveis, vivos, crus e na verdade, talvez 30 vezes mais denso em nutrientes do que os vegetais que você cultiva em seu jardim. Essa é uma intervenção realmente poderosa que as pessoas podem usar para fazer uma grande diferença e obter alimentos ricos em nutrientes. Encorajo fortemente as pessoas a considerarem isso além do seu programa. DP: Estou pensando em quando nossos filhos estavam crescendo, eu lavro o jardim da frente. Eu moro em uma espécie de uma área residencial agradável, onde você não faz isso. Eu lavro o jardim da frente, comprei na sujeira orgânica do nosso fazendeiro orgânico e a enquadrei em 14 por 14. Eu construí essa linda horta. Isso nos sustentou maravilhosamente. As pessoas teriam, você sabe. Eu pensei que os vizinhos iriam reclamar porque não tínhamos um jardim bem cuidado. Os vizinhos paravam e mostravam aos filhos que brócolis cresce no chão. “É assim que um brócolis se parece.” É uma experiência muito, muito gratificante fazer isso, reconectar-se em muitos, muitos níveis, dos quais a parte de gratidão é a que nos foi dada.

JM: Sim, de fato. Na verdade, eu tive um processo semelhante. Estive no processo de converter minha paisagem ornamental em paisagem comestível. Eu coloquei cerca de 10 toneladas de biochar, que é uma alteração fenomenal dos nutrientes no solo que adiciona carbono de volta. Tende a manter a umidade do solo alta e melhora – imagine isso – o microbioma do solo.

DP: Absolutamente. Em um metro cúbico de solo, existem mais de mil espécies diferentes de organismos. O que aconteceu nos Estados Unidos nas Grandes Planícies, onde 99% da camada superficial do solo desapareceu, é que basicamente esterilizamos o solo. Quando as pessoas dizem: “Temos apenas que comer vegetais”, o que eles recebem é esse produto da Frankenfood. Sim, você pode cultivar brócolis nisso. Você pode cultivar trigo, milho e todas essas coisas. Mas onde é que vai conseguir os micronutrientes que são tão valiosos e tão importantes? [—– 50:00 —–] O solo deve estar absolutamente vivo. Não é o que acontece nessas fazendas industriais. O solo é, basicamente, o isopor com os três principais nutrientes para o cultivo de uma planta.

JM: Ok, obrigado por essa expansão, porque acho que é realmente uma das coisas mais importantes que as pessoas podem fazer para identificar esses alimentos de alta qualidade, para que possam colocá-lo em sua dieta a baixo custo. Uma das críticas feitas às pessoas que recomendam esses alimentos e produtos orgânicos é que é muito caro. Mas quando você faz seus próprios brotos, em vez de pagar 30 dólares a libra como você faria na Whole Foods, você pode fazer uma libra inteira por menos de um dólar.

DP: Sem dúvida. Há muito que você pode fazer com isso, não apenas comendo por si só, mas adicionando-o a certos pratos como enfeite, aprimorador e até quase cosmeticamente. Os brotos são super legais. Pense no que estamos fazendo agora. Dr. Mercola e Dr. Perlmutter, estamos falando sobre o surgimento de alimentos e o que comemos, porque ele tem um papel a desempenhar em nosso tópico: reduzindo o risco de doença de Alzheimer. Não estamos falando sobre qual seria a dose deste ou daquele medicamento, Doutor Isto e Aquilo. É incrível. Estamos falando de comida no que se refere ao cérebro. É tão cronometrado para que isso aconteça. JM: Um dos pontos que você menciona no seu livro é a questão do glúten. Certamente, qualquer médico que pratica medicina natural há algum tempo já está ciente disso bem antes do seu livro. Mas acho que você realmente trouxe para o cerne, melhor do que qualquer um que me lembre, a importância dessa questão. Só estou me perguntando se você poderia expandir um pouco sobre isso e dizer às pessoas quais são alguns dos sinais de que eles podem suspeitar que sofrem com isso. Talvez até comente a porcentagem da população afetada, porque acho que seria um comentário interessante.

DP: Quanto aos sinais de que você pode ser sensível ao glúten, eu diria que a coisa mais simples a fazer é se você tiver uma vogal em seu nome, é provável que você seja sensível ao glúten. Esse tipo de restrição, não é? O que estou afirmando é que a sensibilidade ao glúten pode se manifestar de quase qualquer maneira que você possa imaginar – de doenças da pele a dores nas articulações, demência, depressão, insônia e TDAH. As pessoas sempre associam a sensibilidade ao glúten ao intestino. A medicina tradicional diria a você: “Se seus movimentos intestinais são bons, você não está com dor abdominal, a sensibilidade ao glúten não se aplica a você”. Isso realmente afeta o que nossos mais respeitados pesquisadores de glúten têm realmente publicado. Eu tive essas reuniões na Inglaterra, por exemplo, e conhecemos publicações que nos mostram que existe algo chamado sensibilidade ao glúten não celíaca, que pode envolver de 30 a 40% da população, ou de acordo com o trabalho realizado em Harvard pelo Dr. Alessio Fasano, na verdade, pode envolver todos nós – novamente, todo mundo andando pelo planeta. O glúten, essa proteína bizarra e muito estranha encontrada no trigo, cevada e centeio, tem efeitos muito significativos nas células do intestino, levando à produção de uma substância química chamada zonulina, que melhora a inflamação e tende a abrir o intestino, tornando-o com vazamento. Mas o que o Dr. Fasano descobriu é que também pode fazer com que a barreira hematoencefálica vaze e deixe proteínas entrarem no cérebro, onde não pertencem. Este é um negócio muito, muito grande. Você e eu tivemos uma discussão sobre a literatura emergente que está correlacionando o consumo de glúten com mudanças nas bactérias, alterações no microbioma, que podem muito bem ser prejudiciais. Temos visto muitas coisas legais acontecerem com uma dieta sem glúten em uma variedade de problemas neurológicos, até distúrbios do movimento. Apresentei um caso no meu programa de televisão pública de um jovem de 23 anos que não conseguia controlar os braços e as pernas. Eles estavam pulando por toda parte. Foi-lhe dito que ele tinha que tomar injeções de botox em todos os braços e pernas. Bem, nós nos arriscamos. Nós o colocamos em uma dieta sem glúten, e seu problema foi completamente resolvido. Tivemos algumas pistas de que ele pode ser sensível ao glúten porque teve problemas de atenção quando criança e teve problemas gastrointestinais (GI) quando criança. Vemos coisas assim todos os dias. Vemos mulheres e homens com dores de cabeça resolver com restrição de glúten. Eu acho que uma das histórias mais poderosas é a história do TDAH. Aqui na América, temos cerca de 6,5 milhões de crianças diagnosticadas com TDAH. Isso por si só é de tirar o fôlego, mas a parte nauseante real da história é que cerca de dois terços deles estão recebendo anfetaminas com a aquiescência de seus pais e médicos, dizendo: “Não há problema em você tomar anfetaminas, porque isso ajudará você se concentra. ”Algo está muito errado com essa foto. Algo está errado com a noção de que 85% dos medicamentos para o TDAH fabricados nesta Terra são usados ​​aqui na América.

JM: Eu não poderia concordar mais.

DP: Muitas dessas crianças são sensíveis ao glúten. Restrinja o glúten, dê-lhes mais gordura saudável, corte os carboidratos e diga: “Não, você não deve começar o dia com um copo de suco de laranja. São nove colheres de chá de açúcar ”e observe o que acontece com essas crianças. Estou dizendo que todos eles se saem bem e não precisam de medicação? Claro, não estou dizendo isso. Mas eu diria que, se um por cento dessas crianças não precisa usar drogas, esse é um trabalho bem feito. Temos que incorporar isso em nossos protocolos antes de chegarmos ao bloco de prescrição.

JM: Obrigado por esses comentários. Eu sou apenas pessoalmente curioso. Você mencionou em relação à prevalência que, se você tiver uma vogal em seu nome, provavelmente terá sensibilidade ao glúten. Quando eu praticava, notei que pessoas de extrações irlandesas, especialmente se fossem irlandesas ou mesmo inglesas, pareciam ter uma taxa muito maior. Eles tinham realmente grandes, evidentes e graves sinais de toxicidade ao glúten. Gostaria de saber se essa também foi sua experiência ou se você encontrou algum risco adicional. DP: A vogal no nome era, é claro, uma piada. Mas você traz um ponto muito bom. Esse é o risco de sensibilidade ao glúten segue o padrão de migração humana fora da África. A razão pela qual há menos sensibilidade ao glúten nas regiões equatoriais da África é que esses indivíduos, como a agricultura desenvolvida com o advento da agricultura, foram selecionados e morreram e não se reproduziram. A agricultura se moveu lentamente para o norte, para o norte da Europa, e o processo de seleção está ocorrendo agora. Ainda há um pouco mais de sensibilidade ao glúten nessas áreas em comparação com o local onde a agricultura nasceu, no Crescente Fértil. É interessante dar uma olhada nisso. Certamente também existem alguns aspectos genéticos. Não há dúvida de que há implicações com referência ao microbioma em termos de como reagimos ao desafio do glúten. Mas tenha certeza, essa moda sem glúten não é nada disso; não é uma moda passageira. Não é uma tendência. É baseado no número um: ciência difícil. O fato de estarmos gastando três bilhões e meio de dólares em alimentos sem glúten hoje em dia é porque as pessoas estão obtendo resultados fabulosos. Não é apenas porque um determinado tenista melhorou seu jogo. É muito, muito real. As pessoas postam no meu site. Eles postam no meu site do Facebook todos os dias: “Fiquei sem glúten e algo desapareceu – minha dor nas articulações, dores de cabeça, depressão e névoa cerebral”. Essas coisas são muito, muito reais. Essas pessoas que estão reservando um tempo para publicar essas informações estão fazendo isso porque podem ajudar outra pessoa.

JM: Eu faria apenas uma advertência lá também. Só porque uma comida é … Você está certa. É uma nova moda, uma nova tendência. Existem muitos alimentos por aí que são comercializados como sem glúten. Só porque é comercializado como sem glúten, não significa que é saudável. Porque se eles substituem carboidratos de baixa qualidade, normalmente como milho ou batatas que não têm glúten, mas ainda assim contêm carboidratos, violam os princípios dos quais você falou anteriormente. É uma grande distinção. DP: Eu entendo isso todos os dias. Eu tenho essa conversa com meus pacientes. Depois de três a quatro semanas, eles voltam e dizem: “Mudamos completamente. Nós só compramos biscoitos, bolo e pão sem glúten. ”Eu digo:“ Ha! [Você] perdeu metade do ponto. Você acertou um ponto, mas um ponto errado. Você está exatamente certo. Você pode comprar o corredor sem glúten e, com certeza, vai se matar fazendo isso porque está afetando apenas a ingestão de carboidratos e a sensibilidade à insulina. Você está exatamente certo.

JM: Eu costumava ver isso o tempo todo. Quando eu praticava, tratava muitos pacientes com autismo. Eu provavelmente tratei várias centenas. A pessoa clássica saiu com dieta sem glúten e sem caseína, pensando que estava fazendo tudo certo. Era uma grande barreira educacional para superar esses pacientes.

DP: [Não] há dúvida. Infelizmente, estamos vendo pessoas hoje em dia tentando comercializar suplementos que você pode tomar para quebrar o glúten, para que seja menos prejudicial para você. Acho que a missão aqui é tirar as pessoas dos alimentos que contêm glúten.

JM: Certo. [—– 1:00:00 —–]

DP: E educando-os que 75% da aveia, por exemplo, contêm glúten. Foi publicado no New England Journal of Medicine, e alguns deles são rotulados como “aveia sem glúten” provenientes de fábricas sem glúten. Ainda, existe o risco de contaminação cruzada na aveia, além de um tipo de carga alta de carboidratos. A idéia de começar o seu dia com dois copos de 30 ml de suco de laranja e uma tigela grande de aveia por estar cheia de fibras, não é disso que estamos falando aqui. As pessoas pensam … E você e eu agora moramos na Flórida. Aqui, se você não está tomando suco de laranja … Meu Deus, o que vai acontecer? Dois copos de suco de laranja são 72 gramas de carboidratos. São 18 colheres de chá de açúcar. Isso é antes de seu cereal integral chegar. É sobre educação. Você está certo.

JM: Sim, essa é a chave. Agora, existem muitos mitos por aí com relação à dieta. Eu tenho minhas irritações pessoais, mas estou imaginando quais você acha que são as mais importantes ou, talvez, uma ou mais que você gostaria de abordar e acha que as pessoas precisam estar cientes.

DP: Um sobre o qual já falamos, e que a baixa gordura é boa para o coração e para a saúde. Isso é tão fora da base. Uma dieta pobre em gordura está associada a um risco aumentado de câncer de mama e câncer de cólon, conforme publicado no Journal of the American Medical Association. Uma dieta com pouca gordura é uma maneira infalível de aumentar seu índice de massa corporal – em outras palavras, torná-lo mais gordo e, portanto, aumentar seu risco por tudo que você não deseja, incluindo diabetes e Alzheimer. Eu acho que esse é o maior mito que eu estou muito feliz em dizer que parece estar mudando de alguma forma, com base na literatura sobre a qual já falamos. Esse mito de baixo teor de gordura que foi propagado no final da década de 1980 e no início da década de 1990, acho que finalmente está sendo examinado. Está completamente errado. Quando você fica com pouca gordura, como falamos anteriormente, por padrão, você fica rico em carboidratos, porque praticamente essas dietas têm aproximadamente a mesma quantidade de proteína. Essas são as únicas três variáveis. Você precisará colocar seus carboidratos em outro lugar. As pessoas tomam alto carboidrato, e essa é a pior recomendação dietética. O segundo mito é que (acabamos de abordar) há algo saudável no corredor sem glúten do supermercado. Nada poderia estar mais longe da verdade. O terceiro mito é que devemos basear nossas escolhas alimentares, a pirâmide alimentar, em pães integrais, cereais, massas, etc. No topo da pirâmide alimentar, se você se lembra, havia essa pequena, pequena e solitária garrafa de azeite. Aqui está o mito: a pirâmide alimentar tem relevância. Se você quer saber o que comer, pegue a pirâmide alimentar e coloque-a de cabeça para baixo.

JM: Claro. Vire de cabeça para baixo, certo?

DP: Finalmente, eu diria que o mito de que você pode comer o que quiser, desde que se exercite e queime essas calorias, não funciona dessa maneira. Comer é o trabalho um. O exercício é importante, e conversamos sobre isso. Mas você não vai queimar essas indiscrições, essas indiscrições de carboidratos, pulando na esteira por mais uma hora. Você vai à academia e vê muita gente pesada na esteira. Não é por falta de tentativa; é porque depois que eles vão para a academia, eles se recompensam com o número de calorias que eles acham que já queimaram. Isso ativa os mecanismos de produção de gordura do corpo. É um mito enorme – sem trocadilhos.

JM: Sim, eles …

DP: Talvez o trocadilho tenha sido intencional, eu não sei.

JM: Sim. Eles, sem querer, é claro, se envolveram em comportamentos que basicamente inibem a capacidade do corpo de ativar essas enzimas que queimam gordura. Eles estão comendo mais carboidratos, e isso simplesmente desliga o sistema e eles não conseguem acessar a gordura que têm.

DP: Isso mesmo.

JM: É tão fácil assim que você entende, porque o corpo funciona de maneira simples.

DP: Eu sei.

JM: Quero dizer, não é apenas ciência de foguetes. Isso é tão básico e fácil quando você obtém os princípios simples.

DP: Encontrei e recomendo um ótimo livro, Por que engordamos: de Gary Taubes: e o que fazer com isso. Apenas explicita tão claramente que o que você acabou de dizer está no local. É quando você está mirando seu corpo com esses carboidratos porque pensa que deu certo e os merece, está inibindo as enzimas lipolíticas, aquelas mesmas enzimas estimuladas pela insulina, se devo acrescentar, que permitem que você quebre a gordura e ganhe o que está tentando ganhar. Essa coisa da insulina diz ao seu corpo: “O inverno está chegando, engorda e armazena gordura”. A insulina inibe sua capacidade de quebrar a gordura que é seu objetivo na academia. Reduza sua insulina, reduzindo sua ingestão de carboidratos. Coma mais gordura, emagrecerá. Coma gordura, emagrecer. Quem sabia?

JM: Sim, de fato. Agora, uma das minhas paixões (ou preocupações, na verdade, pode ser uma afirmação mais precisa) é a questão dos organismos geneticamente modificados (OGM). Colocamos bastante recursos na busca de aumentar a consciência e a conscientização disso e apoiamos muitas iniciativas diretas de cédula para realmente exigir que os estados rotulem esses produtos. Acredito que seja um problema tão pernicioso, porque a maioria dos OGMs é projetada para fornecer resistência a um pesticida ou a um herbicida com mais precisão, chamado glifosato.

DP: correto.

JM: Eles estão pulverizando quase um bilhão de toneladas todos os anos. É permeado em todas as células dessa planta. Você não pode lavar essas coisas. Teremos enormes problemas com as gerações futuras – infertilidade e condições inflamatórias até o momento. Gostaria de saber se você pode nos dar sua perspectiva sobre a influência dos OGM na saúde do cérebro.

DP: É uma situação muito, muito devastadora. Quero dizer, apenas da perspectiva da epigenética de que nosso alimento modula nossa expressão gênica, ninguém nunca realmente explorou qual é o efeito de alimentos geneticamente modificados em termos de expressão gênica ou expressão gênica do microbioma. Agora estamos vendo uma literatura que relaciona o próprio herbicida que você falou, o glifosato, mais conhecido como Roundup, os efeitos do Roundup em termos de aumento da sensibilidade ao glúten. É um grande círculo, não é? O que você disse é muito verdadeiro. Em geral, o que é essa modificação genética de milho, soja e outros produtos torna a planta resistente a morrer quando o glifosato é pulverizado nela, para que possamos contaminar o resto do mundo com esse veneno e, portanto, nossa exposição ao glifosato está crescendo aos trancos e barrancos. Por si só, há a questão do glifosato, o que isso faz à nossa saúde e o que isso faz ao nosso microbioma, que está apenas começando a ser explorado, bem como o efeito desses produtos vegetais pervertidos, desses produtos vegetais geneticamente modificados. Estou muito, muito preocupado com isso. Estou tão impressionado com o fracasso da Califórnia em aprovar a proposição, permitindo que pelo menos o comprador saiba que os alimentos que eles compram podem ter sido submetidos a [modificação] genética e podem conter OGM. Se não há perigo, por que não deixar que a população saiba disso? No entanto, a indústria vence nessa contagem. Eu acho que nossa saúde sem dúvida vai sofrer com isso. Eu acho que será uma questão muito maior do que qualquer um pode imaginar de cada um desses pontos de vista. JM: Sim. Perdemos a votação na Califórnia. Mas o que ganhamos é um aumento na consciência e na consciência.

DP: Sem dúvida.

JM: Mais pessoas estão cientes de muito mais. Quero dizer, apenas aumentou radicalmente o número de pessoas sensíveis a esse problema. Juntamente com os OGM, outro desafio à função cerebral seria o uso de antibióticos, ou o uso inadequado ou uso excessivo de antibióticos pode ser mais preciso. Gostaria de saber se você pode comentar como isso afeta o cérebro. É diferente do microbioma? DP: Sim. Segunda-feira desta semana, quando você não está tendo essa entrevista … Domingo à noite, eu estava revisando alguns artigos relacionados ao cérebro, intestino e microbioma. Quando adormeci, eu já havia discutido sobre o quão importante é o microbioma na regulação do ponto de inflamação, produzindo neurotransmissores como a serotonina e realmente modulando todos os tipos de saúde cerebral. Na manhã seguinte, meu primeiro paciente, um homem de 23 anos, foi trazido por sua mãe. Por cinco anos, ele não conseguiu quase montar uma frase, vivendo uma vida enevoada no cérebro, fadiga devastadora e dor nas articulações. Eu fui corajoso o suficiente para dizer: “Você estava tomando muitos antibióticos pouco antes de tudo isso acontecer, não estava?” Ele apenas olhou para mim como se eu fosse clarividente. Eu não sou clarividente; Eu só estou fazendo um pouco, você sabe. Louis Pasteur disse: “O acaso favorece [apenas] a mente preparada”. Não há nada de intuitivo. Ele disse: “Como você sabia? Foi por causa dos meus dentes? ”E então eu olhei para os dentes dele, e eles estavam manchados de cinza por anos de tomar tetraciclina para a acne. Você está certo. Esse uso excessivo de antibióticos e até o uso moderado de antibióticos terão um papel em termos de saúde cerebral, como nunca imaginamos. Essas crianças que não são amamentadas e que acabam não recebendo (porque não são amamentadas) inoculadas com bactérias probióticas do leite da mãe e prebióticos que estão contidos no leite da mãe – em outras palavras, as coisas que produzem as bactérias – dobram o risco de infecções no ouvido e TDAH. Pegue a infecção no ouvido, libere o sistema imunológico e o microbioma dessa criança com antibióticos, e você está preparando essa criança para o TDAH. [—– 1:10:00 —–] Um dos fundamentos do nosso protocolo para o tratamento do TDAH são os probióticos, o que levará algum tempo para filtrar os pediatras, que preferem basta escrever as prescrições para as anfetaminas. Mas os probióticos restabelecem a saúde intestinal. Alimente essa criança adequadamente com bons prebióticos, coloque a gordura de volta na dieta e corte os carboidratos. Isso afeta não apenas o metabolismo cerebral, mas também o microbioma. Esses são pontos de alavancagem incrivelmente poderosos para colocar esse garoto de volta aos trilhos. Que ele seja o aluno número um da classe. Digo isso porque, como mencionei anteriormente, Eu fiz um programa PBS. Apresentei o caso de uma criança assim, em que foi tudo o que fizemos. Nós o colocamos em probióticos. Demos a ele um DHA, que é um ômega-3. Em algumas semanas, os pais receberam uma ligação da escola, agradecendo-lhes por colocá-lo em uso de medicamentos. Novamente, Pasteur diz: “A chance favorece [apenas] a mente preparada”. Essa é a missão aqui dos seus telespectadores e ouvintes: obter essas informações e reconhecer que é um grande mundo lá fora, em termos do que afeta negativamente o cérebro e do que você pode fazer para corrigir isso. É um momento muito emocionante.

JM: Claro. Acredito que um médico, Hipócrates, disse que a comida é o seu melhor remédio

. DP: Isso mesmo.

JM: Ele estava em medicina; ele estava na comida.

DP: Isso mesmo. “Que a comida seja teu remédio e a medicina seja teu alimento”, escreveu o Dr. Hipócrates no diário de quem sabe o que há mais de 2.000 anos atrás. JM: Milhares de anos atrás. DP: Agora estamos dando um círculo completo. Agora estamos reconhecendo esse belo relacionamento que não devemos dominar, não tomar o domínio sobre a terra como um organismo solitário, mas reconhecer que vivemos como um simbionte neste planeta e que estamos nesse belo relacionamento simbiótico com todo esse universo, toda essa mídia social, que continua com as bactérias que vivem dentro de nós. JM: Sim. DP: É humilhante. Nós não somos o centro do universo. “O homem não teceu a teia da vida; ele é apenas um fio nisso ”, disse o chefe Seattle. Reconhecemos de maneira humilde que somos apenas parte dessa enorme rede social que chamamos de nossos corpos. É humilhante, mas fortalecedor, no entanto.

JM: Sim. Apenas um comentário também sobre os probióticos: meu objetivo é idealmente não tomar nenhum suplemento. Não sei se vou conseguir isso, porque existem alguns que são bastante úteis para prolongar a longevidade. Mas um dos quais eu saí foi dos probióticos, a razão é que eu estive em alimentos fermentados. O valor de fazer isso se torna muito mais econômico e você recebe uma dose muito maior. Em algumas onças de alimentos fermentados que você prepara em casa, você pode obter o equivalente a uma garrafa de 100 probióticos de alta potência.

DP: Sem dúvida.

JM: Você pode obter quase cem trilhões de graça quase. DP: Isso mesmo.

JM: Especialmente se você os criar. Eu só quero compartilhar isso com você também. Passamos alguns anos desenvolvendo nossa cultura inicial, onde você pode fazer isso. Possui cerca de uma dúzia de cepas realmente altamente benéficas e um número específico de cepas que não apenas se multiplicam e fornecem os benefícios das bactérias, mas também produzem vitamina K2, o que é absolutamente crucial se você atingir seus níveis de vitamina D nos níveis mencionados anteriormente. A vitamina D em altos níveis sem K2 pode ser problemática. É basicamente uma maneira de obter o K2 gratuitamente. DP: O quão poderoso é o K2 em termos de um programa de prevenção de câncer também. Eu coloquei pacientes no K2 como parte do que fazemos. Eles podem voltar de seu internista dizendo: “Você não pode estar no K2 porque está usando Coumadin ou anticoagulantes”.

JM: Sim.

DP: Gaste talvez um minuto e meio e perceba que o K2 realmente não tem nada a ver com isso. Entendemos que o que estamos fazendo com os pacientes é dar a eles o que seus corpos precisam. Sim, é novamente por isso que mesmo pacientes que tomam anticoagulantes como a varfarina são instruídos a não comer vegetais coloridos. Essa é uma recomendação assustadora a fazer a qualquer um. Isso afetará o Coumadin ou o Warfarin? Claro que vai. Você faz o ajuste na dosagem. Mas, por todos os meios, as pessoas precisam desses vegetais. Comida é o número um. À medida que fico mais maduro ou mais experiente, como você deseja descrevê-lo, recomendo cada vez menos suplementos, e cada vez mais percebo que o que somos capazes de fazer mudando a dieta das pessoas está realmente honrando o que Hipócrates disse; é realmente o remédio mais poderoso que temos.

JM: Sim. Tem sido minha principal ferramenta na maior parte da minha prática. Provavelmente, excedeu o tempo que deveríamos compartilhar para esta discussão, mas tem sido tão fascinante. Vamos fechar. Obrigado por tudo. Vou deixar você nos dar sua declaração final e o que você gostaria que as pessoas se lembrassem mais sobre isso.

DP: Eu não sabia que ia ter uma discussão final aqui.

JM: Não, não é uma discussão. É apenas uma declaração do que você acha importante, para que as pessoas possam se beneficiar da aplicação do seu programa.

DP: Claro. Deixe-me fechar – e deixarei que as pessoas interpretem isso como desejarem – com uma citação do Imperador Amarelo do século IV aC que disse: “Manter a ordem em vez de corrigir a desordem é o princípio último da sabedoria. Curar uma doença depois que ela aparece é como cavar um poço quando se sente sede ou forjar armas depois que a guerra já começou. ”Meu chamado então é acolher a neurologia, a ciência do cérebro e a noção de medicina preventiva. Ou seja, nossas escolhas de estilo de vida têm um papel enorme a desempenhar para determinar se o cérebro envelhece graciosamente e mantém sua função durante toda a vida ou se sofre de algum problema neurodegenerativo que poderia muito bem ter sido evitado. JM: Bem, isso é fantástico. Eu não poderia concordar mais. Boas palavras para encerrar. Quero agradecer a você por esta entrevista e também parabenizá-lo por seu enorme sucesso em educar o público e por realmente ser um dos líderes por aí, os principais líderes, em espalhar essa mensagem da verdade e como eles podem ter grandes mudanças. com suas escolhas alimentares. DP: Eu certamente aprecio isso. Saiba que eu honro a profundidade de sua base de conhecimento e a profundidade de nossa interação juntos, porque realmente acho que essa é uma forma incrível de realmente obter informações para aqueles que realmente mais precisam. Agradeço por isso. JM: Ok. Bem, de nada. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas. [FIM] Quero agradecer a você por esta entrevista e também parabenizá-lo por seu enorme sucesso em educar o público e por realmente ser um dos líderes por aí, os principais líderes, em espalhar essa mensagem da verdade e como eles podem ter grandes mudanças. com suas escolhas alimentares.

DP: Eu certamente aprecio isso. Saiba que eu honro a profundidade de sua base de conhecimento e a profundidade de nossa interação juntos, porque realmente acho que essa é uma forma incrível de realmente obter informações para aqueles que realmente mais precisam. Agradeço por isso.

JM: Ok. Bem, de nada. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas. [FIM] Quero agradecer a você por esta entrevista e também parabenizá-lo por seu enorme sucesso em educar o público e por realmente ser um dos líderes por aí, os principais líderes, em espalhar essa mensagem da verdade e como eles podem ter grandes mudanças. com suas escolhas alimentares. DP: Eu certamente aprecio isso. Saiba que eu honro a profundidade de sua base de conhecimento e a profundidade de nossa interação juntos, porque realmente acho que essa é uma forma incrível de realmente obter informações para aqueles que realmente mais precisam. Agradeço por isso.

JM: Ok. Bem, de nada. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas.

[FIM] ao espalhar essa mensagem da verdade e como eles podem ter grandes mudanças com suas escolhas alimentares.

DP: Eu certamente aprecio isso. Saiba que eu honro a profundidade de sua base de conhecimento e a profundidade de nossa interação juntos, porque realmente acho que essa é uma forma incrível de realmente obter informações para aqueles que realmente mais precisam. Agradeço por isso. JM: Ok. Bem, de nada. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas. [FIM] ao espalhar essa mensagem da verdade e como eles podem ter grandes mudanças com suas escolhas alimentares. DP: Eu certamente aprecio isso. Saiba que eu honro a profundidade de sua base de conhecimento e a profundidade de nossa interação juntos, porque realmente acho que essa é uma forma incrível de realmente obter informações para aqueles que realmente mais precisam. Agradeço por isso. JM: Ok. Bem, de nada. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas. [FIM] você é muito bem-vindo. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas. [FIM] você é muito bem-vindo. Estou feliz por ter a oportunidade de compartilhar as informações com as pessoas.

[FIM]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *