Vegan Betrayal: A Special Interview with Mara J. Kahn

By Dr. Joseph Mercola

JM: Dr. Joseph Mercola

MK: Mara J. Kahn

JM: At last count, there are more than 16 million Americans who consider themselves vegetarians. Are they at any risk of health problems? Hi, this is Dr. Mercola, helping you take control of your health. Today we are joined by Mara Kahn, who wrote the book Vegan Betrayal. She’s really put together an incredible story, her own personal journey from being a vegan to doing exploration and finding out the facts. It took her many years to write this book. It’s really the best book I’ve ever read that covers the entire issues. We’re pleased and honored to have her with us today. Welcome and thank you for joining us, Mara.

MK: Thank you very much, Dr. Mercola. It’s great to be here.

JM: I’m wondering if you could enlighten us as to your journey, because it really is quite empowering to see – we find many people who choose and have heard of many stories of people who choose to be vegetarian or vegan, and then have health complications. But you, your story goes really far beyond that, because you’ve done an exhaustive and comprehensive review of the facts. Maybe you can share your journey with us now.

MK: Sure. First of all, I’d like to say even though my book is titled Vegan Betrayal, I do respect all vegans and what they’re trying to do. My own journey led me to vegetarianism. I know that many vegans who once were vegetarians that became vegans, I know that many of them are suffering from diminished strength and faltering health. I think this is a topic which has been swept under the rug and it’s not being openly discussed in the vegan community. I think it’s very important that we start this discussion. I hope that this book will help kickstart that really important dialogue. JM: You became interested in vegetarianism as a teenager, did some international travel, and had some interesting journey. Can you elaborate on that? What motivated you to write the book?

MK: I became a vegetarian at age 19 while traveling in Europe. I met the very first vegetarian I’ve ever known. You have to remember this was in the 1970s. I grew up in the Midwest where vegetarianism was pretty much unknown and veganism was totally unheard of at that time. But like many of today’s vegans, I became an instant convert, overnight convert once I met this woman who was a beautiful specimen of humanity. Extremely healthy. She was few years older than I am, from California. I met her in Paris. She had just bicycled the last month from her hometown in San Francisco up to California Coast all the way across Canada. Flown into London, took the ferry to France, and then arrived in Paris on her 10 Speed Motobecane. She was gorgeous, she was healthy, she was beautiful, and she was a vegetarian. I fell head over heels for the diet based on who she was at that time. Instant convert like many vegans today. Up to that time, I had eaten a very meat-based diet in the Midwest. A lot of pork, hotdogs, and hamburgers, and the like.

JM: Then you started your journey. But before we go into more details, I think I’d like to mention that I don’t think either of us – I can’t speak for you, but I’d let you chime in – would disagree with anyone who chooses to eat this way for philosophical, spiritual, or ethical concerns. That’s their choice. That’s not arguable from my perspective. The only challenge is when they’re doing it for purported health benefits. It’s where I think there are serious disagreements and some serious confusion that hopefully we’ll clear up today.

MK: Yes. I agree. I became a vegetarian for ethical reasons actually. I’m totally with vegans on that account. I believe that ethical reason probably is the – it is, survey shows – primary reason people convert to vegetarianism or veganism. I do present, however, some arguments towards the end of the book that veganism is not the only ethical diet. I also present a lot of arguments that it is not a historically validated diet. But yes, for ethical and philosophical reasons, it makes perfect sense to become a vegan. Now, just so you understand and the audience, at that time in the 1970s, veganism was largely unheard of. That’s why I became a vegetarian. It may be that on the coast, San Francisco, or New York, there were some vegans in the U.S., but it really didn’t get a strong hold here until the 1980s and then definitely in the 1990s. But I did become a vegetarian for ethical reasons.

JM: Your book does really nice job of reviewing the history, the story of veganism. Because it just didn’t start in the ‘70s. It was long preceded by that. It’s interesting, with respect to the historical context, if you look at it from a health perspective, there doesn’t appear to be a single population in the history of the world who survived in a plant-based diet exclusively. Maybe you can expand on that, because I think that’s really an important argument using this historical evidence of what our ancestors ate to survive. It would make pretty good sense that there’s a high likelihood that we’re going to thrive on a similar diet.

MK: That’s right. I did a thorough research of the history of vegetarianism. In fact, I spent almost six years researching this book. I’m a journalist. I love to do research. I love to investigate. I love to dig deep and find out causes and reasons. In studying the vegan diet for six years, I not only was swamped with all the nutrition studies and research and all the best journals from Europe and America, I would also look into the history. At this point, it’s really important that we distinguish between vegetarianism and veganism. Vegetarianism has a very long and honorable history. It goes back at least 2500 years to Greece and much further than that in the Indus Valley, India and that part of the world. It has proven itself to be a viable diet. Health-wise, it’s lasted this long. It’s ingrained in the culture of, for instance, India, even though there, only 40 percent is vegetarian surprisingly. In the Northern parts of India, the Kashmir regions, they eat meat because the climate is so different in the mountainous regions of North India. Vegetarianism has a very long and noble history with verified health results. However, veganism, as I got into this research, is a non-historical diet. That’s one of the main points I make in the book. It is not verified. Its health benefits are not verified. There were scattered enclaves of religious people that lived cloistered lives who did follow a vegan diet. There are some evidence of that throughout history, but these were very, very tiny populations. Mostly monk-type people living away from society. Veganism as a popular diet is very, very new. Very recent. These kind of numbers that we’re seeing now, they estimate about two or three million, probably a couple of million in the U.S. The estimates, I’ve seem really widely. It’s hard to pinpoint that. But probably a few million now in the U.S. These numbers have never been seen in the history. It really didn’t get started as a popular movement until 1944 in England when Donald Watson coined the word “veganism”. It’s actually a new word, a new movement. He wanted to move the argument away from health – vegetarianism was mostly about health – to one of ethics. That was his main motive. It’s really a modern, almost happening, veganism. Its name was coined in 1944. It happened when Donald Watson visited a farm. He was about 14 years old. He witnessed the slaughtering of a pig and he was absolutely horrified. He wanted to immediately change his diet and everybody else’s in the world, which is pretty much the vegan goal: to have this become eventually a worldwide diet. [—– 10:00 —–]

JM: I think it would be helpful to provide some definitions here. Because veganism is pretty straightforward. There’s exclusion of all animal products of any type. But there’s a wide variety of vegetarianism. Part of the confusion here is that many vegetarians and potentially some vegans in the earlier stages appear to be quite healthy. It’s because there are a lot of great aspects of a vegetarian diet, which I’ll mention in a bit. But for definition purposes, to help us understand the perspectives, maybe you can provide a definition of vegetarianism versus veganism.

MK: Sure. I’d be happy to. As I said, vegetarianism has roots in the West all the way back to Pythagoras. He’s called the Father of Western Vegetarianism in Southern Greece. He had a school there of intellectuals and philosophers. At that time, vegetarianism included dairy and eggs, which it does today. But it also included fish. There are many references to Pythagoras eating fish and his followers were actually encouraged to eat meat at certain times. He had two groups of followers: the philosopher types who were aesthetics. They in turn did not eat meat. But his public followers, working people in open society, raising families, working the fields, doing hard physical labor, he pretty much insisted that they eat some meat, because they needed the caloric load and the energy to do their everyday physical work. The definition back then included fish. Today’s vegetarians do not want to include fish in the definition of their diet. They want that out. They want to call those people pescetarians. They are limited to, of course, all plant food and dairy and eggs to make them a vegetarian. Vegan, of course, excludes all animal products.

JM: Thank you for elucidating that fact. That definition, was that Pythagoras that you referred to? Was it Pythagoras in Greece?

MK: Yes. Pythagoras, the Father of Vegetarianism. JM: By Pythagoras’ definition, I would be a vegetarian, because I pretty much believe that’s pretty close to the ideal diet. It’s really sad that contemporary vegetarians have excluded and actually become discriminate. That’s a whole other aspect of your book. There’s this egalitarianism that they look down on different levels like, “You’re not the best vegetarian if you’re not a vegan.” They really frown upon pescetarians. My passion has been identifying food to optimize health. I’m absolutely convinced that fish are one of the healthiest foods on the planet. It is the most amazing food, primarily because of its content of DHA, which is a 22-carbon fat that is just an absolutely essential part of health. If you have low DHA levels, you’re just – it’s almost physiologically impossible to be healthy because it’s such an important part of energy generation at the molecular level down to the mitochondrial membranes and a whole variety of other components. You need DHA. You need it for converting – there’s even a lot of quantum energy, quantum mechanics going on with respect to its ability to capture light and integrating it into our system. If you’re deficient, it’s a problem. Now, of course, industrial concerns have contaminated most of the fish of the world. You have to eat really low on the food chain, which is like anchovies, sardines. Clean fish, which is uncommon and is somewhat available in a wild Alaskan fish. But if you exclude that from your diet, you’re just not going to be healthy. A lot of the vegetarians or vegans will say, “We can get our DHA from marine algae.” Yes, it’s DHA, but I don’t think it’s the same thing. It’s just not integrated into the food. You just don’t absorb it as well even though they claim it is. Of course, there’s a whole variety of other nutrients. But for the most part, I just eat fish, I have a little dairy, and virtually no raw milk or otherwise, but I have butter (which I think is enormously helpful and has a whole variety of healthy fats) and occasional meat that’s ethically raised and not from confined animal feeding operations (CAFO). I think that’s healthy. I just have to be careful. This is one of the points I wanted to emphasize. I think one of the reasons why vegetarians seem so healthy, at least according to the Pythagoras model, is because it’s relatively lower in protein. When you have high levels of protein, if you’re eating too much meat – CAFO or otherwise, it doesn’t matter – you are going to stimulate powerful biochemical pathways that are going to move you towards disease. Yes, you can get big and bulky. You can win body building contests if you train properly, but that doesn’t mean you’re going to be healthy and that you’re going to live a long life. Because there are two ways you can go: you can improve your longevity or you can improve your muscle anabolic pathways. I think that’s a big reason why a lot of vegetarians are pretty healthy. It’s because they’re lowering the protein and they get a lot of good vegetables obviously although they should. You can be a vegetarian and eat pretty lousy food. It’s really easy to do that. It’s more difficult to be a vegetarian and eat very healthy food and be healthy. Maybe you can comment on the mouthful I just offered.

MK: I agree totally. I remembered trying to be an omnivore. It was with fish. I started eating plenty of fish and my health skyrocketed almost immediately. I think there’s a very good reason Pythagoras ate some fish from time to time. It was plentiful in the Mediterranean region where he lived.

JM: It wasn’t contaminated.

MK: No. It wasn’t contaminated. There’s reason he prescribed it to his everyday followers in the towns. That reason is probably, as you say, DHA. But there are other good reasons to eat fish: it’s full of vitamins, vitamin E. It also has all the omega-3 fatty acids. DHA is really a problem with vegans. Excuse me. Sometimes I call it vegans (vey-gans), sometimes vegans (vee-gans). I’ve heard it both ways. Vegetarian, vegetables, vegan. It makes more sense to me. But vegan (vee-gan) is how it’s usually called. I eat plentiful sardines. I eat sardines every other day. The rush of powerful energy I get from them I cannot find anywhere in the plant world. JM: You had an interesting story in your book. I think you worked in Seattle at a fish market. Maybe you can share that story and how just the lights went on once you started getting these essential [inaudible] into your brain. MK: Actually that was probably up in Alaska. I lived and worked up in Alaska in my 20s in a fish plant, which brought in plentiful salmon for six months. At the time, I was a vegetarian and I was a suffering vegetarian. My strength was diminished. My muscles were diminishing also. I do think that low protein is a problem for vegans. Not vegetarians but vegans. Too low protein. Some of them are down to the eight to 12 percentage of protein. Too low protein will cause muscle wasting. Actually I talked to a metabolic expert, Dr. Diane Schwarzbein. I interviewed her. She’s based in Santa Barbara. She’s a renowned metabolic expert and she has treated many vegetarians and vegans with muscle wasting. [—– 20:00 —–] What happens then is without enough protein in your diet, there are risks for too low protein, you actually start consuming your own muscles. In that sense, vegans are consuming flesh after all – their own – if they’re not eating enough protein. Dr. Schwarzbein told me that every vegetarian and vegan she has treated has been metabolically damaged. That can come from low-fat too. That was another –

JM: I was just going to chime in on that. I think that’s the reason why. Really the low-fat is the issue. Because if you’re having lots of carbohydrates you’re essentially burning carbohydrates as your primary fuel. If you shift that down to relatively low levels – you can easily do that in vegetarian diets, especially if you’re having low net carb, high fiber vegetables, and high fat – your body is burning fat as its primary fuel. The reason I mentioned that is that once you enter those metabolic pathways in profoundly powerful protein-sparing actions. You can get by with eight, nine, or 10 percent effect. I only have eight percent protein in my diet. I believe I’m not protein deficient. That’s because fat is my primary fuel. If I was burning carbs, I would not fare well at all.

MK: Right. If you look at metabolic individuality, some people do much better with a low-protein diet than others, some people do better with a higher-fat diet, some people do with a higher-carb diet proportionately. There are extremes that we all need to avoid. But yes, up in Alaska, I was a vegetarian. My strength was diminishing. I was nervous. I had insomnia. I was kind of a wreck. One day in the plant of these hundreds of thousands of fish were flying by, I just sort of went home that night after a 12-hour shift, grabbed one of the sock-eye salmon, tucked it under my arm, and went home and cooked it for the very first time in like 20 years. The results were astounding once I started eating fish again. My energy just skyrocketed. I started sleeping better. My nerves became calm. I was absolutely in intense gratitude to this first fish that I ate for the energy and the love for life again that it bestowed on me. It was absolutely amazing. I did interviews and talked to or heard the stories of hundreds of vegans and ex-vegans, and almost invariably, it was fish that they first ate to break their fast. The same thing happened to them. I agree. Fish is an amazing food. DHA is critical. In fact, two of the founders of veganism, as they became older, suffered from Parkinson’s disease. They had their DHA tested and it was zero. Their blood levels of DHA was zero.

JM: That’s not surprising. It’s really great to hear your experience with consuming what I believe is one of the healthiest foods on the planet – sock-eye salmon from wild Alaska.

MK: Yes. JM: There was not a finer food on the planet that you could have than this one. Maybe salmon eggs or fish roe, salmon roe.

MK: Maybe.

JM: They’re both great. You needed it.

MK: Yes. Straight off the boat, it was as fresh as can be. JM: Fresh as can be. You were wise enough to I guess abandon your decades of ethical considerations and listen to your body, because ultimately, that’s one of the barometers that we have to help guide us on our journey to health. Our body is going to give us the signal. You can choose to ignore it like many people do, as you did for decades. You have to suffer. You have to go on the gutter of health and beat up pretty badly. Sometimes you have some pretty serious disease processes going on before you wake up and listen to what you’re body’s seeking to tell you all along.

MK: Yes. That is one of the primary points of my book: listen to your body. You can have the most beautiful, ethical philosophy up in your head and you want to follow it your whole life as I did, but your body is giving you very strong messages otherwise. Every person I’ve talked to who had to give up their ethical diets only happened at the moment their mind became silent and they listened to their body and they took that bite of fish or whatever. The return to sustained health happened, started at that moment for them.

JM: I couldn’t agree more. Maybe you can discuss some of the statistics in the pro-vegan literature, which tends not to really discuss the incredibly high dropout rate of people who start to choose this type of lifestyle and then abandon it. That type of statistic is rarely ever addressed in the vegan movement.

MK: Isso mesmo. É por isso que acho que precisamos ter essa discussão. A taxa de abandono do veganismo é muito, muito alta. Não temos estatísticas porque as pessoas não gostam de falar sobre isso. Alguns deles têm vergonha. De fato, as pessoas que a abandonam, a comunidade vegana, muitas vezes são envergonhadas por seus companheiros, porque acreditam que estão cometendo um grande erro, e que o veganismo é o único caminho justo a seguir e a única maneira de comer e o mundo inteiro deve estar comendo assim. Eu até li relatos de ex-veganos que o descrevem como uma espécie de culto. A vergonha que se segue é muito poderosa. De fato, uma vegana me disse que, quando decidiu comprar alguns ovos pela primeira vez em 10 ou 15 anos, ela se sentou do lado de fora da loja, sentiu que os policiais veganos viriam e pegue ela. O namorado dela, que era um vegano fiel, recusou-se a ir com ela. De fato, ele havia dito a ela em um momento em que soube que ela voltaria a comer comida de animal – ela estava sofrendo, sua saúde estava sofrendo muito – que ele preferia que ela fosse continuamente uma vegana que sofria do que uma saudável. comedor de carne. Isso, para mim, foi uma ilustração perfeita do que eu pessoalmente chamo de especismo reverso, preferindo a saúde de um animal à saúde de seu companheiro, o que é realmente uma coisa nova que penso na história da humanidade. Não se fala muito na comunidade vegana, na alta taxa de abandono, mas os números são grandes. A maioria deles considera o desaparecimento da saúde como a principal razão para deixar o veganismo. O segundo é sentir-se excluído do grupo cultural ou da família. Mas saúde absolutamente a razão número um de sua saída. Estima-se que cerca de 50% dos veganos já tenham saído por causa da força e da saúde em declínio.

JM: Como você, eles foram sábios em ouvir o corpo deles. Vamos agora abordar alguns dos argumentos usados ​​para justificar uma existência de consumo livre de animais. Isso se baseia no que parece ser uma informação defeituosa, porque eles acreditam que não deveriam ter nenhum produto de origem animal em suas vidas, incluindo coisas até couro. Não colocando couro no seu carro. Mas o que eles não conseguem integrar em sua avaliação geral é que, mesmo o consumo de uma dieta exclusivamente vegetal, uma dieta vegetariana ou uma dieta vegana, o próprio processo de criação de muitos desses alimentos envolve a matança de uma grande variedade de animais, não intencionalmente , claro, mas é um artefato do processo de criação de alimentos. Talvez você possa discutir isso. Essencialmente, não há almoço sem animais. Haverá algum tipo de catástrofe lá e destruição da vida. Depois, há toda essa outra questão da consciência, que podemos discutir a seguir.

MK: Yes. That’s actually a quote from my book, “there’s no animal-free lunch.” Unless you’re growing all your food by yourself in a no-till organic situation using hand tools, animals are destroyed in industrial agriculture. There are studies, research studies from reputable scientists and agriculturists from universities, which show a high mortality rate of wild animals in industrial fields. [—– 30:00 —–] Modern agriculture is very field intensive. There are like eight to 10 trips through that field from sowing to final harvesting. These machines are all the time. I don’t know if you have ever seen a giant harvester, but they are immense. They’re tires are 42-inches wide and there’s like sometimes 48 tires. What the scientists found that a lot of small mammals and rodents are getting killed in these fields. The estimates are pretty high actually, up to like 70 percent of present rodents and other small mammals killed in industrial fields. That’s one way that animals are being killed for plant food. Also they’re killed in traps, storage, and transportation. Animals are killed. It’s really kind of not true that vegan lifestyle has no connection to the death of animals, especially in the agricultural world.

JM: It’s just not true that anyone can, by that definition. Actually it goes to the next definition you need to address: what is an animal? Where does this animal avoidance start and where does it end? There’s this continuum obviously. Does it stop at reptiles? Does it stop at insects? Or does it just stop at plants? Because a vegan driving down the highway at night is guaranteed, unless it’s the middle of the winter, to kill some insects on their windshield or the front of the grill of their car.

MK: Sim. Não apenas insetos, mas pequenas cobras e roedores. Há muitas mortes nas estradas por aí, especialmente depois do anoitecer, com as quais todos nos culpamos.

JM: Não intencionalmente, é claro, mas, no entanto, ainda está sendo feito. É um artefato da civilização moderna.

MK: Sim. Esse é um dos argumentos veganos de que o consumo de carne é intencional. Quando eles estão matando animais, não é intencional. Mas uma morte é uma morte. O animal está morto. Alguns veganos pensam que fazer essa distinção também não é justo.

JM: Eu acho que talvez se você puder resolver esse problema de consciência. Em que momento a dor, a capacidade de perceber a dor é usada como critério. Se isso não estivesse lá, não seria um problema. Há todo esse outro argumento que você passou um capítulo inteiro discutindo a consciência das plantas. Obviamente, eles estão vivendo. Não poderíamos usá-los como alimento se não estivessem vivos. Quero dizer, em algum momento da existência deles. Muitos veganos – e eu concordo com sua filosofia – preferem o uso de vegetais crus e alimentos crus ao invés de processados. Essa é uma boa estratégia. As plantas estão vivendo em algum momento. MK: Para ser vegano, você tem que em algum lugar traçar a linha de quais alimentos você vai comer e o que você não vai. Para a maioria deles, é uma questão de consciência. O ser vivo está consciente do que está acontecendo? Está sofrendo? Essa demarcação entre um animal consciente e inconsciente mudou totalmente ao longo da história e das culturas. Por exemplo, agora eles estão olhando, peixe, pela primeira vez. No passado, foi decidido apenas porque eram tão frios e sem expressão que os peixes não tinham consciência. Mas novos testes estão mostrando que talvez sintam, talvez sintam dor, mas mesmo isso está sendo contestado. Isso não é uma coisa definitiva. As pessoas estão levando isso mais longe e olhando para os insetos. Eu entrevistei cientistas que trabalham com insetos. Alguns deles realmente acreditam que os insetos têm consciência e têm uma inteligência que não conseguimos entender, porque eles simplesmente trabalham em esferas diferentes das nossas. O mesmo com as plantas. Conversamos com botânicos. Muitos deles sabiam – botânicos brilhantes acreditavam que as plantas têm inteligência elevada que nem sequer podemos começar a entender, porque não falamos a mesma língua. Eles sabem com certeza que as plantas sabem absolutamente quando estão sendo comidas. Plantas vivas. Eles enviam produtos químicos para avisar seus vizinhos do perigo à frente e enviam produtos químicos que convocam guarda-costas de insetos para se afastarem – Muitos deles sabiam – botânicos brilhantes acreditavam que as plantas têm inteligência elevada que nem sequer podemos começar a entender, porque não falamos a mesma língua. Eles sabem com certeza que as plantas sabem absolutamente quando estão sendo comidas. Plantas vivas. Eles enviam produtos químicos para avisar seus vizinhos do perigo à frente e enviam produtos químicos que convocam guarda-costas de insetos para se afastarem – Muitos deles sabiam – botânicos brilhantes acreditavam que as plantas têm inteligência elevada que nem sequer podemos começar a entender, porque não falamos a mesma língua. Eles sabem com certeza que as plantas sabem absolutamente quando estão sendo comidas. Plantas vivas. Eles enviam produtos químicos para avisar seus vizinhos do perigo à frente e enviam produtos químicos que convocam guarda-costas de insetos para se afastarem –

JM: Predators.

MK: Os predadores. Estes são seres inteligentes que querem viver. Eles têm o que chamo de “quero viver, não quero morrer”, habilidades muito desenvolvidas. De fato, se você olha a história na filosofia, as religiões orientais sempre consideraram todos os seres vivos sencientes. Em outras palavras, eles precisam ter consciência e sentimentos. Somente na cultura ocidental temos essas demarcações, essas demarcações definidas. Esses seres têm consciência, esses seres não têm consciência. Isso foi fascinante de se ver, estudar. Realmente não é verdade que possamos dizer definitivamente que certos animais têm sentimentos e sofrem ou que essas certas criaturas e essas não. Isso ainda está sendo estudado, discutido e discutido. Eu achei isso fascinante.

JM: Você compilou um recurso realmente excelente. Eu li um grande número de livros, e nunca li um como o seu, que é realmente abrangente e exaustivo – afinal, você levou seis anos para escrever este livro. Isso não é uma quantidade pequena de tempo. É por isso que adoro ler livros. Como normalmente, se está bem escrito e o autor é realmente conhecedor e comprometido com o assunto, como você obviamente tem, há muitas informações nele. Quero dizer, nossa, por uma pequena quantia de dinheiro, você é capaz de capturar todos esses anos de sabedoria compilados em poucas páginas. O ponto-chave do seu livro é que – se alguém que é vegano ou conhece alguém que é vegano, eu não poderia incentivá-los mais fortemente a ler este livro. Na minha opinião, simplesmente não há dúvida. É uma leitura obrigatória absoluta se você é vegano. Ou você está interessado neste tópico ou está considerando, você precisa olhar para todos os ângulos e ser objetivo e não ficar cego por algumas das emoções envolvidas com isso, o que é fácil de se perceber. Porque os animais são muito fofos. Por que você quer matar um animal?

MK: É por isso que a maioria de nós se torna vegana ou vegetariana. Nós amamos animais. Realizei essa profunda pesquisa e investigação por seis anos, porque preciso saber pessoalmente por que preciso comer comida de animal quando não quero. Foi uma jornada para mim. Tornou-se muito, muito claro todos os desaparecidos, chamados nutrientes de carne, que estão em animais que não estão em plantas, incluindo carnosina, carnitina, taurina. Todos os tipos deles que estão lá. Eles ainda os estão descobrindo. Esse é outro ponto realmente importante que eu gostaria de destacar: a ciência da nutrição ainda está na infância. Os pesquisadores ainda estão descobrindo novos nutrientes, incluindo nutrientes encontrados apenas em animais, e eles continuarão a descobri-los. Um pesquisador vegano, o Dr. Winston Craig, concorda que esta é uma dieta não histórica e há simplesmente muitas incógnitas, muitas, em estudos, pessoas, muito pouca pesquisa para tirar qualquer conclusão definitiva de que o veganismo é saudável e impede doença. Este é um vegano dizendo isso. Eu acho que todo mundo precisa dar uma olhada nisso e ser um pouco mais objetivo. Eu não quero comer animais. Descobri que isso fez uma enorme diferença na minha saúde e provavelmente na minha longevidade. Como a pesquisa, incluindo os dois estudos adventistas do sétimo dia que os veganos adoram localizá-los, se você olhar de perto, o que eu fiz, fui aprofundando esses estudos, o que descobri é que esses estudos, como muitos estudos, definir o vegetarianismo de uma maneira muito ampla. Incluiu comedores de peixe. Incluía comedores de laticínios. Inclusive incluía pessoas que comiam carne vermelha uma vez por semana. Com essa definição de vegetarianismo, eles poderiam sair com manchetes que diziam: Os vegetarianos vivem vidas mais longas de todas as pessoas, mas quando você se aprofunda, sua definição de vegetarianismo não é exatamente o que as pessoas pensam. É muito amplo. Isso é verdade em grande parte das pesquisas que estudei. Até que todos usem a mesma definição de vegetariano, eles são essencialmente inúteis para definir por que é bom comer uma dieta vegetariana. [—– 40:00 —–] É claro que as pesquisas sobre o veganismo ainda nem começaram. Houve alguns estudos pequenos, resultados não conclusivos. Os vegans estão mergulhando no desconhecido. É uma dieta muito pouco estudada. Não conheceremos os efeitos na saúde por várias gerações. Aquelas pessoas, acredite, esses futuros vegans estudarão esses dados de saúde com muito cuidado. Dados, que os veganos de hoje não têm disponíveis.

JM: Vamos examinar algumas dessas coisas que parecemos saber da ciência. Nós já revisamos um deles, que é o DHA. Um argumento que muitos vegetarianos ou veganos usarão é que “estou conseguindo com sementes de linhaça ou chia. Esse é um ômega-3 chamado ALA ”, que é uma gordura de 18 carbonos que precisa ser convertida em EPA, que é de 20 carbonos e 22 de DHA. Essa conversão não vai bem. Eu acho que na maioria das pessoas é bem mais de um por cento que você vai levar o ALA ao DHA. Não há como você comer ALA suficiente para fazer isso. Apesar de alguns veganos ferrenhos como o Dr. Michael Greger, na verdade, enviei um e-mail a ele para descobrir a ciência ou o que ele acha que é a maior conversão, ele disse que era de oito a dez por cento. Eu disse: “Envie-me o estudo que mostra isso.” Eu olhei para ele. Era como se eles dessem 250 miligramas de uma dose de rótulo isotópico de rádio nessa matriz alimentar bizarra que eles lhes dessem. Eles mediram isso. Não era nada do que você experimentaria na vida real. Eles usam esses estudos falhos e fatais para apoiar suas recomendações. Da minha perspectiva, se você estiver usando o ALA, precisará mudar isso. Você precisa de DHA real. Eu não acho que a ciência ainda esteja pronta para provar que o DHA das algas marinhas será um substituto. Eu acho que você realmente precisa comer peixe. Isso é para mim o mais importante. Mas depois há outros como você mencionou. O número dois provavelmente seria a vitamina B12, com a qual você pode conviver por alguns anos, mas depois de seis a sete anos, suas reservas de fígado estarão esgotadas e você poderá ter doenças neurodegenerativas muito sérias. Há um grande número de casos documentados de cegueira por deficiência de vitamina B12 e outros distúrbios neurológicos. Isso é grande. Talvez você possa levá-lo de lá. Porque você mencionou a carnosina como sendo um e alguns dos aminoácidos como a taurina. Eu acho que você fez um ótimo trabalho no livro de expandir isso. MK: Obrigado. Primeiro, gostaria de dizer que outro grande ponto do meu livro é cuidado com as pesquisas veganas conduzidas por veganos. Eles estão procurando por um resultado que, como você descobriu, não está realmente lá. A taxa de conversão do DHA é extremamente baixa e a mesma para todos os outros ácidos graxos ômega-3. Eles podem comer sementes de linho o quanto quiserem, mas a taxa de conversão para a maioria é de 20 a 55%. Eu acredito que é uma taxa de conversão muito baixa. Nos bebês, são 30%. Os bebês também não estão recebendo muitos ácidos graxos de cadeia longa, EPA e DHA. As algas e as algas, como você diz, ainda não sabemos. Estes são novos produtos. Muitos médicos acreditam que não é o mesmo que você recebe dos peixes.

JM: A razão para isso: quando você come peixe, não é apenas DHA; é todo um equilíbrio de uma variedade de gorduras diferentes. Uma grande variedade. Alguns deles são talvez gorduras de cadeia com 26, 28 ou 30 carbonos. É essa mistura – predominantemente, o DHA é o mais importante. É o que está em nosso cérebro principalmente, 60%. Mas essa matriz de suporte é necessária para obter o máximo de benefícios. Quem sabe que outras variáveis ​​que ainda nem descobrimos fazem uma diferença crítica? Eu acho que é uma falácia concluir que você pode optar por comer DHA de algas marinhas. Comemos indiretamente, mas não como alimento humano. Isso nunca foi feito na história da humanidade.

MK: Eu concordo completamente com você. O que digo no livro, digo com muita empatia: sinergia, pessoas. Synergy. Não conhecemos todos os cofatores e micronutrientes em nossos alimentos, como eles interagem e como você precisa dessa coenzima precisa para aceitar os alimentos em seu corpo. É uma ciência muito complicada que estamos apenas começando a entender. Para dizer que as algas são iguais aos peixes, não sabemos isso. Provavelmente isso não será sabido por mais uma vez, até obtermos os resultados de saúde dos veganos nas próximas gerações. Você tem que olhar para todos os cofatores. É incrivelmente complicado. Esses ovos veganos que eles estão fabricando no Vale do Silício, eu ficaria muito cauteloso com eles. Primeiro de tudo, a idéia é obter mais proteína na dieta vegana. Eles têm cerca de um ou dois gramas de proteína. Muito pobre em proteínas. Eles tiraram todo o colesterol, o que realmente precisamos de colesterol em nossa dieta.

JM: We need saturated fats too.

MK: We need saturated fat. Yes. Which is something else. JM: Fortunately, thankfully, and gratefully the studies, the meta-analyses have been done. There’s a slow emerging shift in consciousness in the conventional medical community about this topic. They’re accepting that saturated fat is indeed essential for a healthy diet.

MK: It’s critical. Our ancestors ate saturated fat all the time in the grass-fed animals that they pastured. I’m glad that this myth has been dispelled. Very glad.

JM: Yes. In the process. It’s not yet. I wanted to mention one thing, too, that you brought out really well in the book. The American Dietetic Association (ADA), formerly, it has a new name, made a recent transition to promoting a plant-based diet based upon primarily the fact that two of their experts were vegans and were insiders and were able to promote this position. Can you expand on that?

MK: O documento de posicionamento da ADA, publicado em 2009, recomendando uma dieta vegetariana e vegana a todas as pessoas de todas as idades, desde a infância até a velhice, se você cavar mais, como os jornalistas gostam de fazer, foi co-autoria por duas pessoas. Um era vegetariano e o outro, vegano. De fato, o vegetariano pertence a uma denominação que incentiva a disseminação do vegetarianismo pelo mundo. Minha pergunta era: por que esses dois autores não foram marcados por conflito de interesses? Eles estão recomendando isso para o mundo inteiro de todas as idades. Você encontrará esta citação. Trata-se de nove linhas sobre por que alguém pode comer uma dieta vegetariana ou vegana em quase todos os livros veganos. Eles adoram citar isso. Existem algumas falhas sérias em suas pesquisas. Primeiro de tudo, eu olhei para as fontes deles. Não me lembro se eram 100 ou 200 fontes. Eu pude encontrar apenas 17 em todas aquelas fontes que eram exclusivas para vegans. Você não pode pegar a pesquisa vegetariana e aplicá-la aos veganos. Eu sinto Muito. Simplesmente não funciona. Existem muitos nutrientes ausentes em uma dieta vegana que estão presentes em uma dieta vegetariana. [—– 50:00 —–] Desejo que os próprios veganos não leiam apenas blogs e sites veganos e recomendações de outros veganos. Eles precisam olhar para a ciência, para a pesquisa.

JM: Eles precisam ler seu livro. em pesquisa.

JM: Eles precisam ler seu livro. em pesquisa. JM: Eles precisam ler seu livro.

MK: Yeah. Non-biased sources. They need to read my book, which would tell them everything they want to know about the history and philosophy.

JM: That’s not an inflated claim. I can assure you. I read a lot of books. I read hundreds and hundreds of health books. That’s an inflated claim either. I have. I’ve never read a better book that describes that than yours. I highly endorse that as a physician. I think you’ve summarized a lot of the good points in your book. If you’re interested, you can certainly read the book for more details. I’m not opposed to vegetarianism. By Pythagoras’ definition, I am a vegetarian.

MK: Yes, you are.

JM: Eu como quantidades muito pequenas de proteína animal. Principalmente peixe. Como seis anchovas por dia várias vezes. Às vezes eu tenho algumas ovas de peixe. Vou comer uma onça de ovas, que eu acho que é um dos alimentos mais saudáveis ​​do planeta, a partir de salmão selvagem do Alasca. Ocasionalmente, eu vou comer um pouco de carne. Não tenho problemas em comer carne, seja frango saudável ou carne que não seja da CAFO. Sem problemas com isso. Mas não é uma fonte regular da minha dieta. Eu não acho que realmente deveria ser para muitas pessoas. Mas não deve ser excluído, porque eles têm nutrientes incríveis. Ovos saudáveis ​​também são outra ótima fonte. Eu os tenho regularmente. Manteiga. Caso contrário, estou comendo cem por cento de dieta vegana, sem esses alimentos. Mas a maioria desses 85% a 90%, 95% é baseada em plantas. Eu acho que há um tremendo valor em uma abordagem baseada em plantas. Você não pode argumentar isso.

MK: Não. Eu não discuto isso. As plantas são as melhores. Eles são fabulosos.

JM: Você precisa deles.

MK: Sim. Mas você precisa desses pequenos pedaços de animal em sua dieta para obter os nutrientes que faltam nas plantas. Se você observar a dieta mais elogiada do mundo, a dieta mediterrânea, que, a propósito, eles estavam fazendo um estudo de longo prazo e que terminaram no início de 2013, porque os benefícios eram tão grandes que eles sentiram que era antiético privá-lo em um grupo de controle. Os benefícios da dieta mediterrânea, que é principalmente plantas. Eles têm peixe limitado, carne vermelha limitada, laticínios limitados. Eles estão recebendo todos os nutrientes de carne que precisam. Eles estão recebendo os nutrientes de que precisam dos animais e das plantas. É uma dieta completa. Foi nomeada uma das melhores dietas do mundo. É historicamente validado por milhares de anos e muitos, muitas gerações em que essa dieta confere saúde duradoura e vida longa a essas pessoas. A dieta vegana não é validada. É nisso que precisamos trabalhar, concluindo as pesquisas, para que os futuros vegans saibam o que estão enfrentando.

JM: Felizmente, seu livro será um ótimo começo nessa direção. Mais uma vez, traição vegana. Está disponível em qualquer livraria online e na Amazon. É um ótimo recurso. Quero agradecer por você ter levado seis anos de sua vida para compilar essas informações e realmente seguir a jornada, aprender sozinho e dedicar um tempo para compartilhar isso com outras pessoas, para que elas não sofram como você. Essa é a beleza da literatura escrita. Podemos aprender com os outros. Seu livro oferece a oportunidade perfeita para fazer isso. Quero agradecer por ter escrito. fazendo essas pesquisas, para que os futuros vegans saibam o que estão enfrentando.

JM: Felizmente, seu livro será um ótimo começo nessa direção. Mais uma vez, traição vegana. Está disponível em qualquer livraria online e na Amazon. É um ótimo recurso. Quero agradecer por você ter levado seis anos de sua vida para compilar essas informações e realmente seguir a jornada, aprender sozinho e dedicar um tempo para compartilhar isso com outras pessoas, para que elas não sofram como você. Essa é a beleza da literatura escrita. Podemos aprender com os outros. Seu livro oferece a oportunidade perfeita para fazer isso. Quero agradecer por ter escrito. fazendo essas pesquisas, para que os futuros vegans saibam o que estão enfrentando.

JM: Felizmente, seu livro será um ótimo começo nessa direção. Mais uma vez, traição vegana. Está disponível em qualquer livraria online e na Amazon. É um ótimo recurso. Quero agradecer por você ter levado seis anos de sua vida para compilar essas informações e realmente seguir a jornada, aprender sozinho e dedicar um tempo para compartilhar isso com outras pessoas, para que elas não sofram como você. Essa é a beleza da literatura escrita. Podemos aprender com os outros. Seu livro oferece a oportunidade perfeita para fazer isso. Quero agradecer por ter escrito. É um ótimo recurso. Quero agradecer por você ter levado seis anos de sua vida para compilar essas informações e realmente seguir a jornada, aprender sozinho e dedicar um tempo para compartilhar isso com outras pessoas, para que elas não sofram como você. Essa é a beleza da literatura escrita. Podemos aprender com os outros. Seu livro oferece a oportunidade perfeita para fazer isso. Quero agradecer por ter escrito. É um ótimo recurso. Quero agradecer por você ter levado seis anos de sua vida para compilar essas informações e realmente seguir a jornada, aprender sozinho e dedicar um tempo para compartilhar isso com outras pessoas, para que elas não sofram como você. Essa é a beleza da literatura escrita. Podemos aprender com os outros. Seu livro oferece a oportunidade perfeita para fazer isso. Quero agradecer por ter escrito.

MK: Thank you. Thank you for having me here today.

[END]

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *