Strategies for Keto, Fasting nicotinamide mononucleotide (NMN), nicotinamide riboside (NR) & nicotinamide adenine dinucleotide (NAD+)

dieta cetogênica

O quiabo é capaz de controlar a fome e a diabetes?

  • Também chamado de “gombô”, o quiabo é um parente do algodão e do hibisco e é um alimento muito popular no sul dos Estados Unidos, Brasil e em diversas regiões da África e do Mediterrâneo, havendo inúmeras maneiras de prepará-lo com valiosos benefícios para a saúde
  • O quiabo é uma das principais fontes de glutationa, que possui propriedades anti-carcinogênicas e diversos outros benefícios. Ele é o quarto alimento em teor de glutationa, atrás apenas do aspargo, abacate e espinafre
  • O quiabo pode ajudar a combater os sintomas da diabetes devido à sua capacidade de reduzir o nível de açúcar no sangue, combater o estresse e diminuir a fadiga, melhorando a saúde
  • O consumo de quiabo traz muitos benefícios para os diabéticos devido a seus vários nutrientes, incluindo fibras, antioxidantes, folato, potássio, cálcio e vitamina K
  • O alto teor de fibras presente no quiabo mostra-se de grande ajuda para a digestão, reduzindo a fome e a vontade de comer, bem como aumentando a saciedade, que são fatores importantes no controle dos sintomas da diabetes

Por Dr. Mercola

Qual vegetal parece um cruzamento entre uma pimenta Jalapeño, um pepino e uma carambola, é muito popular no Nordeste, e que descobriu-se recentemente que proporciona benefícios incríveis para sua saúde? Se você respondeu “Quiabo”, meus parabéns!, Se você ou algum ente querido tem problemas com o açúcar no sangue, sem falar nas crises de fome que só agravam estes problemas, leia com atenção.

Mas primeiro, um pouco da história do quiabo: Também chamado de “Gombô”, e parente próximo do algodão e do hibisco, existem diversas variedades de quiabo, podendo ser avermelhado e ter uma textura lisa ou áspera.

O ingrediente é muito popular no sul dos Estados Unidos e em regiões da África, Mediterrâneo e Brasil, sendo geralmente cozido, o que o confere uma textura viscosa. Existem (felizmente), várias formas de preparo; Aqui vão cinco possibilidades inspiradas pela Smithsonian Magazine:

  • O quiabo frito é a maneira tradicional de servir o quiabo no sul dos Estados Unidos, empanado no fubá e frito em óleo vegetal, mas essa não é uma alternativa muito saudável.. Caso opte pelo quiabo frito, ao menos use um óleo de cozinha mais saudável (mencionado abaixo), talvez com uma pitada de queijo parmesão ralado, e cozinhe em umatemperatura mais baixa.
  • Gumbo com quiabo, engrossado com um molho feito da “santíssima trindade”, pimentão, cebola e salsão, é outro clássico Americano. Na verdade, o nome da receita vem do termo africano “gombô”. Ela frequentemente leva carne ou frutos do mar, tomate e folhas de louro.
  • Quiabo em conserva, especialmente a variedade doce e picante, é outra maneira de servir este legume, muitas vezes com pimenta calabresa, pimenta preta, sementes de mostarda, vinagre, endro fresco, sal e vinagre de vinho branco ou de arroz.
  • O quiabo grelhado ou assado no forno é muito simples de preparar, bastando colocar as vagens de quiabo limpas em uma assadeira, regar com um pouco azeite de oliva, polvilhar com sal e pimenta e assar por 15 minutos. E a melhor parte: Parte da “baba” carameliza e o quiabo não fica viscoso!
  • Quiabo cozido é uma ótima maneira consumir vários nutrientes nutrientes, mas com sabores mais marcantes, como caldo de carne, cordeiro, vinagre balsâmico, cravo, tomate, alho, folhas de hortelã e especiarias, como no caso da bamya, um prato egípcio, e o guisado de quiabo.

É importante notar que óleos como o óleo de coco, de abacate, de gergelim, ghee (manteiga clarificada) e a manteiga crua orgânica são muito mais saudáveis do que os óleos culinários convencionais e são recomendados para fritar os alimentos.

Azeite de oliva também é uma boa opção, mas não deve ser exposto a temperaturas superiores a 180 graus, uma vez que ele atinge seu ponto de fumaça iniciando um processo oxidativo que dá origem a compostos potencialmente cancerígenos; Além disso, o óleo é facilmente alterado pelo calor elevado.

Estudos mostram que o quiabo pode ser viável no combate à diabetes

Um estudo com animas, realizado em 2014, revelou que o extrato de quiabo pode ajudar a reduzir o estresse oxidativo e a resistência à insulina e, como resultado, melhorar os níveis de açúcar no sangue. Em outro estudo clínico, descobriu-se que as sementes de quiabo torradas, que são consumidas na Turquia há anos para compensar os sintomas de diabetes mellitus, são realmente eficazes.

Além disso, uma grande análise fitoquímica mostrou que os extratos de sementes de quiabo também tiveram efeitos antiestresse (adaptogênicos) e nootrópicos (aumento cognitivo) em voluntários. Também convém lembrar que, em indivíduos com propensão a níveis elevados de açúcar no sangue, a capacidade de lidar com o estresse é um fator importante no controle da diabetes, pois a longo prazo, níveis elevados de estresse podem prejudicar sua capacidade de evitar picos glicêmicos.

O site Diabetes.org observa que qualquer evento que deflagre seu reflexo de luta ou fuga pode fazer com que a insulina se acumule no seu sangue. No mesmo sentido, um dos motivos que tornam listar os benefícios do consumo de quiabo tão oportuno é que os casos de diabetes estão aumentando continuamente de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Em 2014, foi relatado, por exemplo, que enquanto cerca de 167.000 jovens com menos de 20 anos apresentavam diabetes tipo 1 em 2009, mais de 18.000 novos casos foram estimados para a mesma idade demográfica a cada ano desde então. Diferenças entre os três tipos de diabetes (Tipo 1, Tipo 2 e diabetes gestacional) e os problemas que cada um pode causar são importantes de se entender.

De acordo com o Medical News Today, o diabetes mellitus denota um grupo de distúrbios metabólicos que impedem o seu corpo de armazenar adequadamente e utilizar a glicose, ou açúcar no sangue, como combustível para as células; seja porque você não produz insulina suficiente, porque as células do seu corpo não respondem adequadamente à insulina, ou ambos.

No entanto, não apenas diabetes tipo 1 (quando o corpo não produz insulina), mas também o tipo 2 (quando o corpo não produz insulina suficiente para o seu funcionamento adequado) e diabetes gestacional (que afeta mulheres grávidas) estão incluídos nos tipos de diabetes em que o consumo de quiabo pode ajudar. Embora a pesquisa ainda se encontre em seus estágios iniciais, o quiabo mostrou-se eficaz para indivíduos que sofrem de diabetes.

Os nutrientes do quiabo e como eles podem contribuir com a sua saúde

O Abelmoschus esculentus, também conhecido como Quiabo, é um vegetal bastante subestimado, mas contém uma série de nutrientes valiosos, incluindo uma grande quantidade de fibras. Vários deles só são obtidos através da alimentação, e se não forem consumidos em quantidade suficiente, sua deficiência pode comprometer seriamente sua saúde. Cinco dos principais nutrientes presentes no quiabo incluem:

Potássio — Um mineral e um eletrólito natural, o que significa que ele conduz impulsos elétricos através de seu corpo, o potássio ajuda a normalizar as contrações musculares, o ritmo cardíaco, a pressão sanguínea, a digestão, o equilíbrio do pH e muito mais. Como o seu corpo não o produz, você deve obter uma quantidade adequada através dos alimentos, sem perder de vista o equilíbrio da sua ingestão de sódio.

Folato — Uma das várias vitaminas do complexo B, este nutriente auxilia na produção de glóbulos vermelhos e repara o seu DNA. Sua deficiência pode levar à anemia, privando as células de oxigênio. Uma de suas funções mais cruciais é muito importante para mulheres durante a gravidez, pois está envolvida na prevenção de defeitos congênitos.

Obs.: Nota: Embora muitas pessoas usem de forma intercambiável, não confunda o folato, que ocorre naturalmente nos alimentos, com o ácido fólico, que é uma forma sintética da vitamina B9 usada como suplemento e como aditivo em alimentos processados.

Cálcio — Armazenado em seus ossos, ele atua junto à vitamina D para evitar ossos frágeis e quebradiços. Ele também trabalha com vitamina K2 para impedir que o cálcio se acumule em locais indevidos, como as artérias e tecidos moles, e direcioná-lo para onde ele deve estar, como ossos e dentes.

Vitamina K — Uma vitamina lipossolúvel que desempenha um papel fundamental na proteção do seu coração, na formação dos ossos, na otimização dos níveis de insulina e na coagulação do sangue. A vitamina K pode ajudar a prevenir doenças cardíacas, osteoporose, diabetes, vários tipos de câncer e até o mal de Alzheimer.

Vitamina C — Este poderoso antioxidante diminui tanto a duração quanto a severidade de um resfriado e é necessário para produzir colágeno, a proteína mais abundante nos mamíferos, que mantém a pele e os tecidos firmes, porém flexíveis. A deficiência de vitamina C enfraquece o sistema imunológico e é notoriamente conhecida por causar o terror dos marinheiros: escorbuto.

O quiabo contém fibras, antioxidantes e compostos que aliviam a fadiga

Mencionado anteriormente como um dos muitos benefícios de comer quiabo, a fibra alimentar é importantíssima para o seu bem-estar geral. Consumir alimentos ricos em fibras, como o quiabo, faz com que os alimentos consumidos se desloquem suavemente pelo sistema digestivo, além de fornecer o volume necessário para eliminar os restos do seu sistema.

Oito vagens de quiabo com cerca de 7 cm de comprimento fornecem aproximadamente de 3 gramas de fibra. Em um estudo, os pesquisadores separaram a pele e as sementes de quiabos pouco maduros para comparar seus polissacarídeos, polifenóis, flavonoides, quercetina e compostos similares, bem como suas atividades antioxidantes e antifadiga.

É interessante notar que , segundo os cientistas, as doses relativamente pequenas oferecidas aos ratos no estudo podem ser facilmente obtidas simplesmente consumindo o próprio quiabo. As sementes venceram;

Os cientistas encontraram efeitos anti-fadiga consideravelmente mais poderosos devido à redução dos níveis de ácido láctico e ureia no sangue, o que por sua vez aumentou o armazenamento de glicogênio no fígado e promoveu a capacidade antioxidante ao reduzir o nível de malondialdeído (um marcador de estresse oxidativo) enquanto aumentava os níveis de superóxido dismutase e glutationa peroxidase.

Esses resultados, de acordo com o estudo, “provaram que as sementes de quiabo fornecem o fator anti-fadiga das vagens e os polifenóis e os flavonoides eram constituintes ativos”. O alto teor de fibras presente no quiabo mostrou-se de grande ajuda para a digestão, reduzindo a fome e a vontade de comer, bem como aumentando a saciedade, que são fatores importantes no controle dos sintomas da diabetes.

Além disso, o aumento da ingestão de fibras revelou-se, em ensaios clínicos, capaz estimular o controle glicêmico e a melhorar a sensibilidade à insulina, além de reduzir os fatores de risco cardiovascular e a doença renal crônica em pacientes com diabetes tipo 2. O Global Journal of Medical Research menciona ainda outros benefícios para a saúde:

  • A ação anti-inflamatória e antimicrobiana do quiabo pode ajudar nos problemas digestivos e na síndrome do intestino irritável
  • As sementes são uma fonte de proteína de alta qualidade e podem ser moídas e utilizadas como substituto não cafeinado do café.
  • A mucilagem do quiabo se liga ao colesterol e aos ácidos biliares, ajudando o fígado a transportar as toxinas para fora do corpo, podendo ser usada até mesmo como um substituto do plasma ou como um expansor de volume sanguíneo.
  • Seu teor de polissacarídeos reduz os níveis de colesterol no sangue
  • Pode ajudar a reduzir problemas de asma

A glutationa no Quiabo: Um dos compostos mais significativos para a sua saúde

Um dos compostos mais interessantes presentes no quiabo é a glutationa, que, segundo estudos, apresenta propriedades anti-carcinogênicas. De acordo com a Imune Health Science, alimentos que contêm glutationa se dividem em duas categorias: os que contêm a molécula de glutationa e aqueles que promovem a produção de glutationa e / ou “ativam” a atividade das enzimas glutationa em seu corpo.

No entanto, eles devem ser consumidos crus; cozinhar os alimentos diminui o seu conteúdo de glutationa. Os métodos de armazenamento também podem afetar seu valor nutricional. Um estudo mostra que a ingestão de glutationa pode reduzir o risco de câncer oral e faríngeo, enquanto um estudo em animais observou que ela pode proteger contra a nefropatia diabética (dano aos rins devido ao diabetes) e neuropatia (danos aos nervos e eventual insuficiência renal).

Mas há um detalhe importante: Entre todos os alimentos listados como tendo conteúdo significativo de glutationa, um estudo sobre a “Glutationa em alimentos listados no Questionário de Frequência Alimentar e Histórico de Saúde do Instituto Nacional do Câncer”, classificou o quiabo em quarto lugar, com um conteúdo um pouco superior a 11 miligramas por porção de 100 g. De acordo com a Imune Health Science, estes foram os campeões:

  • Aspargo — 28.3 mg
  • Abacate — 27.7 mg
  • Espinafre — 11.4 mg
  • Quiabo — 11.3 mg

Formas de consumir o quiabo: Água, casca e pó das sementes

Não sei se você já sabe desta “mania”, mas a água do quiabo está na moda. De fato, diz-se que beber suco de Bhindi (outro nome o suco feito com a água do quiabo) pode trazer diversas vantagens para saúde, além das já mencionadas. O preparo do suco, no entanto, pode fazer toda a diferença. O Diabetes Self-Management oferece a seguinte receita para o suco de quiabo:

“Pegue de dois a quatro quiabos pequenos, corte as pontas, perfure ou corte as laterais e mergulhe-os durante a noite em 250 ml de água. Em seguida, pegue as vagens, esprema a o conteúdo viscoso em uma nova xícara e adicione água.”

A casca de quiabo picada é a forma como este vegetal é utilizado na medicina tradicional. Basta usar um ralador: apenas meia colher de chá é suficiente para oferecer os benefícios nutricionais. Ao comprar quiabos para alguma incursão culinária, dê preferência às vagens verdes brilhantes e sem amassados para garantir que são frescas, e às vagens menores, que são mais saborosas e mais macias, mas ainda firmes.

Guarde o quiabo sem lavá-lo; um saco de papel servirá, mas armazene-o em uma parte menos fria da geladeira, pois quanto mais frio estiver, mais rápido ele se deteriorará. Para congelá-lo, basta branqueá-lo rapidamente (ferva por 1 a 2 minutos e mergulhe na água com gelo ), cortá-lo, enxugar bem usando um pano limpo ou toalhas de papel, e guardá-lo em recipientes próprios para o congelador ou em sacolas reutilizáveis.

Hits: 0

Leave a Reply