Julio Cesar Tafforelli help you live a longer, leaner, healthy live Start your journey to SUSTAINABLE WEIGHT LOSS

sem categoria

Por que o peixe é o melhor superalimento?

  • Comer peixe está sendo apontado como um fator positivo para engravidar, não só porque os casais que incluíram peixe no cardápio tiveram envolvimento íntimo com mais frequência, mas porque também tiveram uma concepção mais rápida em comparação com pessoas que não comiam peixe
  • Uma razão pela qual a contaminação de peixes por mercúrio é um problema é que peixes maiores, como atum, espadarte e tubarão, comem peixes menores, e o nível de mercúrio é cumulativo; como resultado, eles têm exponencialmente mais mercúrio em si
  • Outras substâncias encontradas em frutos do mar como o salmão de cativeiro, incluem a etoxiquina que destroi o DNA e PCBs (bifenilos policlorados), conhecidos como um dos produtos químicos mais tóxicos e ambientalmente persistentes já criados

Por Dr. Mercola

Você já ouviu falar que peixe faz bem. Pescadores ávidos em milhares de lagos e rios de todas as partes do mundo gostam de pescar.

Mas um novo estudo mostra que comer peixe é melhor que se imaginava: parece ser um fator que aumenta as chances de engravidar, não só porque os casais que incluíram peixe no menu fizeram sexo com mais frequência, mas porque também conceberam mais rapidamente em comparação com pessoas que consumiram outra coisa nas refeições.

Os cientistas que conduziram o estudo, que foi publicado no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, entrevistaram 501 casais que estavam ativamente se esforçando para se tornarem pais sem envolver intervenção médica, e os acompanharam por um ano ou até que engravidassem, o que ocorresse primeiro.

Cada casal mantinha um diário para registrar sua saúde e hábitos comportamentais, incluindo o que comia — principalmente o consumo individual de peixe — e a frequência das relações sexuais. O estudo foi controlado por fatores como tabagismo e ingestão de álcool, atividade física, idade de cada indivíduo, nível de escolaridade e outros fatores. O New York Times observa:

“Eles descobriram que os homens que ingeriram duas ou mais porções de 110 gramas de peixe por semana tiveram um tempo de concepção 47% menor, e as mulheres 60% menos do que aqueles que comeram uma porção ou menos por semana.

Parceiros que comiam peixe também tinham relações sexuais, em média, 22% mais frequentes, mas a associação do consumo de peixe à gravidez persistiu mesmo depois de controlar a frequência de sexo. Aos 12 meses, 92% dos casais que comiam peixe duas vezes por semana ou mais estavam grávidos, em comparação com 79% entre os que comiam menos.”

O mecanismo não está claro, mas há pistas

Embora a principal autora do estudo, Audrey J. Gaskins, pesquisadora adjunta de Harvard, especula que os frutos do mar possam melhorar a qualidade do sêmen e a liberação de óvulos na ovulação. Os cientistas não podem dizer exatamente qual é o mecanismo para o aumento das taxas de gravidez em relação ao maior consumo de peixes.

Ela observa, no entanto, que se o consumo de peixe tem algo a ver com aproximar casais, é mais uma via comportamental do que causal. Um leitor comentando sobre o artigo sugeriu que o selênio possa ter algo a ver com o “mérito de fazer bebês” pelo consumo de frutos do mar, e citou um estudo publicado no International Journal of General Medicine, que observa:

“Um desenvolvimento significativo nos últimos 10 anos do estudo da infertilidade humana foi a descoberta de que o dano oxidativo ao DNA do espermatozoide tem um papel crítico na etiologia da baixa qualidade do sêmen e na infertilidade masculina. O selênio (Se) é um elemento essencial para o desenvolvimento testicular, espermatogênese, motilidade e função normal dos espermatozoides.”

Os cientistas deste estudo descobriram que, entre 690 homens que sofrem de astenoteratospermia idiopática (redução da motilidade espermática) que tomaram um suplemento combinado de 400 unidades de vitamina E e 200 μg de selênio diariamente por pelo menos 100 dias, 52,6% (362 deles) apresentaram uma “melhora significativa” na motilidade e/ou morfologia dos espermatozoides. Houve também 75 casos de “gravidez espontânea”.

Um estudo de caso controlado no Reino Unido, publicado no British Journal of Obstetrics and Gynecology, teve como alvo o nível de selênio em mulheres com histórico de aborto espontâneo recorrente e encontrou evidências de que a deficiência de selênio também foi um fator quando as participantes do estudo que não conseguiram levar uma gravidez a termo foram comparadas a mulheres que tiveram pouco ou nenhum problema para se tornarem mães.

Embora os pesquisadores tenham descoberto que a “diferença foi observada em amostras de cabelo, mas não em amostras de soro e, portanto, pode não representar uma simples deficiência nutricional”, houve também uma “proporção significativamente maior de mulheres no grupo de controle que ingeriam cereais, suplementos vitamínicos e fígado ou rim.”

Dito isso, é interessante notar que, de acordo com Nutrition Data, enquanto um pedaço de fígado bovino cozido de 100 gramas contém 57% do valor diário ou Ingestão Diária Recomendada (IDR) de selênio, a mesma quantidade de salmão selvagem do Alasca fornece 67% de IDR de selênio.

Os aspectos saudáveis do consumo de peixes e os efeitos tóxicos do mercúrio

Gaskins diz acreditar que as mulheres têm “medo de peixe” por causa da crescente ameaça de envenenamento por mercúrio e acrescenta que há baixo nível de contaminação em frutos do mar comumente consumidos, como camarão e o atum enlatado. Por mais saudável que possa ser o consumo de peixe pelo menos duas vezes por semana, há 100 anos, o problema crescente das águas contaminadas levou à contaminação dos peixes por mercúrio e outros poluentes.

Mas como o mercúrio entra no peixe em primeiro lugar? Primeiramente, existem “pontos” de mercúrio, onde o acúmulo vem de instalações de produção de cloro, plataformas de perfuração de petróleo offshore e usinas termelétricas a carvão. A Scientific American observa que, embora o mercúrio seja um elemento natural encontrado em plantas, animais e em outras partes do meio ambiente, o envolvimento humano em empreendimentos industriais nos últimos 150 anos ou mais “aumentou” a quantidade de mercúrio.

Não é uma quantidade desprezível, é substancial. Os peixes e muitos tipos de vida marinha ingerem o mercúrio — mais especificamente, cisteína de metilmercúrio, o tipo encontrado em frutos do mar — até que este finalmente chega aos humanos que deles se alimentam. Live Science observa: “O mercúrio em humanos pode causar uma ampla gama de condições, incluindo problemas neurológicos e cromossômicos e defeitos congênitos.”

Um exemplo de como é insidiosa a contaminação tóxica por mercúrio remete a peixes maiores, como o atum, espadarte, tubarão, anchova grande e garoupa, que têm exponencialmente mais mercúrio porque comem peixes menores, e a contaminação é cumulativa.

Pode piorar? O problema com os peixes hoje

Desde então, os reveses têm variado: a produção de salmão de cativeiro excedeu a quantidade de salmão selvagem capturado em 1999. Quase 3 milhões de salmões do Atlântico escaparam de viveiros na Colúmbia Britânica, Washington, Maine e Escócia em 2001, no mesmo ano em que a anemia infecciosa do salmão forçou os criadores de salmão do Maine a abater mais de 1 milhão de peixes.

Dos resquícios de antibióticos ilegais encontrados em um viveiro de camarão asiático em 2002 às violações grosseiras da Lei da Água Limpa em um viveiro de salmão sediado no Maine em 2003, e testes toxicológicos revelando que o salmão de cativeiro é um dos alimentos mais tóxicos no mundo — mais de cinco vezes mais tóxico do que qualquer outro alimento testado — a indústria como um todo tem algumas explicações a dar.

As diretrizes para frutos do mar de alimentação limpa são iguais para todos, conforme descritos para grávidas: salmão fresco do Alasca, sardinha, cavala, arenque e anchova são suas melhores apostas em relação aos frutos do mar mais saudáveis. Algumas pessoas podem pensar que os peixes de cativeiro devem ser a escolha mais saudável e ambientalmente responsável, mas em muitos aspectos, a piscicultura, também conhecida como atividade aquícola, não é muito diferente das CAFOs, operações de engorda de animais por confinamento.

Um dos piores problemas são os cercados de salmão colocados ao lado dos salmões selvagens, o que ameaça seriamente a viabilidade do salmão capturado na natureza, especialmente porque a variedade cultivada geralmente carrega doenças como o vírus da anemia infecciosa do salmão, e isso é apenas uma entre várias.

Considerado “tóxico”, mas ainda adicionado à comida dos peixe em cativeiro

A Science relatou que uma avaliação mundial da ameaça ao mercado de salmão como um todo pode ser respondida pelos 13 poluentes orgânicos persistentes, incluindo os PCBs (bifenilos policlorados), conhecidos como um dos produtos químicos mais tóxicos e ambientalmente persistentes já criados.

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) observa que os PCBs (e há dezenas de nomes comerciais para eles) não se quebram, podem permanecer por longos períodos circulando entre o ar, a água e o solo, viajam longas distâncias e podem ser levados até os corpos de pequenos organismos e peixes.

“Estudos em humanos suportam evidências de potenciais efeitos cancerígenos e não cancerígenos nos PCBs”, mas a lista de possíveis problemas de saúde para humanos e animais é francamente impressionante. É claro que as indústrias agora estão sendo regulamentadas por leis mais rígidas, mas uma vez contaminado, tentar descontaminar não é mais possível. O site da EPA detalha uma lista de consequências assustadoras que os PCBs podem causar ou aos quais podem impactar:

CâncerSistema imunológico
Sistema reprodutivoSistema nervoso
Sistema endócrinoEfeitos neurológicos

Lembre-se de que os PCBs são apenas um dos muitos poluentes associados aos peixes de cativeiro. Um dos mais traiçoeiros é a etoxiquina, um produto químico desenvolvido pela Monsanto na década de 1950 como um produto químico sintético para pneus. A etoxiquina é encontrada apenas no salmão de cativeiro, não no selvagem.

É usado como um estabilizador de borracha, pesticida, conservante e antioxidante e, sendo um carcinógeno suspeito de “causar aberrações cromossômicas, buracos e fraturas em cromossomos” nas células humanas e “quimicamente tóxico, destruindo cromossomos e DNA”, segundo a crítica de um jornal norueguês.

Como previne a oxidação da gordura, é usado em algumas rações para animais, incluindo alimentos para peixes. De acordo com a Nutraceutical Business Review, a descrição da European Food Safety Authority dessa substância foi bastante clara: a etoxiquina é “considerada tóxica para organismos aquáticos com base nos dados de toxicidade aguda para peixes, dáfnias e algas”.

Você deve comer peixe?

As pessoas comem peixe desde os primórdios da humanidade. Tem sido um alimento essencial para a humanidade em todas as regiões onde há peixes e, sem dúvida, é um dos alimentos que mantém os humanos vivos de muitas maneiras além de apenas oferecer seu sustento. É uma proteína magra, com vitaminas, minerais, ácidos graxos e vários compostos que podem evitar a hipertensão, degeneração macular, depressão, osteoporose e diabetes.

Outro estudo da revista Circulation revela que as pessoas que comem duas ou mais porções de peixes gordurosos por semana têm um “risco significativamente menor de ataque cardíaco e derrame cerebral”, mesmo em indivíduos que não priorizam “se alimentar de forma saudável”.

Uma das críticas mais elogiosas ao peixe como um alimento saudável diz respeito aos altos níveis de ômega-3, com a observação de que eles são uma das razões para a dieta mediterrânea estar na moda nos últimos anos. O ômega-3 entra nas membranas celulares, sendo importante para a sinalização celular e essencial para o funcionamento ideal do coração.

Então você deve comer peixe? Novamente, grávidas e crianças pequenas — e realmente todos — devem evitar frutos do mar com alto teor de mercúrio, mas se você escolher as opções mais saudáveis, os benefícios compensam o risco para a maioria das pessoas.

Como regra geral, suas melhores escolhas são peixes pequenos, gordurosos e de água fria, que são uma fonte ideal de ômega-3 com baixo risco de contaminação. Os peixes mais saudáveis que eu sugiro que você considere comer com mais frequência incluem anchovas, sardinhas, cavala, arenque e salmão selvagem do Alasca — evite as variedades de cativeiro, tanto para sua saúde quanto para o meio ambiente.

  • 12

– Recursos e Referências

Hits: 4

Leave a Reply

error: Content is protected !!