Julio Cesar Tafforelli help you live a longer, leaner, healthy live Start your journey to SUSTAINABLE WEIGHT LOSS

melhoras de saúde

Rouquidão? Você pode ter deficiência disto

  • Em um estudo de caso de um homem com rouquidão gradualmente progressiva e paralisia das cordas vocais, a culpada foi a deficiência de vitamina B12
  • A paralisia das cordas vocais ocorre quando uma ou ambas ficam paralisadas e não se movem como deveriam. Se uma das cordas vocais não se mover corretamente, isso pode levar à rouquidão
  • O homem foi tratado com terapia de reposição de vitamina B12, e isso resolveu seus sintomas
  • Em outro caso, um homem de 55 anos com diabetes tipo 2 também sofria de rouquidão; a paralisia das cordas vocais foi identificada como resultado da deficiência de vitamina B12, e a condição foi resolvida após o aumento dos níveis de vitamina B12
  • Os sintomas da deficiência de vitamina B12 podem ser sutis ou refletir outras condições, colocando-a em risco de ser negligenciada ou diagnosticada incorretamente pelos médicos; é importante que os médicos considerem a deficiência de vitamina B12 em caso de paralisia das cordas vocais

Por Dr. Mercola

A vitamina B12, uma vitamina solúvel em água também conhecida como cobalamina, desempenha um papel em inúmeras reações bioquímicas e neurológicas do corpo, incluindo a síntese de DNA. Seu corpo não consegue produzir vitamina B12 por conta própria, portanto, ela deve ser obtida por meio da alimentação ou suplementação.

Sua deficiência pode ser grave e levar a uma série de alterações relacionadas, incluindo distúrbios de personalidade, irritabilidade e depressão, juntamente com uma ampla gama de sintomas, incluindo dor nas articulações, sensações de “agulhadas”, dormência e falta de ar.

Um dos sintomas menos conhecidos, entretanto, pode afetar sua voz. Se você costuma sentir rouquidão, a culpa pode ser da deficiência de vitamina B12.

Rouquidão: A paralisia das cordas vocais relacionada à deficiência de vitamina B12

Pesquisadores do departamento de ciência da nutrição da East Carolina University revisaram 89 estudos de caso de deficiência de vitamina B12, procurando causas, manifestações clínicas e resultados. Foram relatados sintomas neurológicos, psiquiátricos, orais, dermatológicos e outros “sinais e sintomas raros”, sinalizando o quão variados estes podem ser.

Um dos estudos de caso envolvia um homem de 61 anos que sofria de deficiência de vitamina B12 como resultado do consumo excessivo de álcool. Seus sintomas incluíam rouquidão gradualmente progressiva e paralisia das cordas vocais.

A paralisia das cordas vocais ocorre quando uma ou ambas ficam paralisadas e não se movem como deveriam. Se uma das cordas vocais não se mover corretamente, a voz pode ficar rouca, ao passo que, se as duas cordas vocais não estiverem funcionando, isso pode causar problemas respiratórios.

Normalmente, a paralisia das cordas vocais está relacionada a procedimentos cirúrgicos, como cirurgia da tireoide ou da artéria carótida, ou tumores no pescoço ou no tórax, mas muitas vezes a causa é desconhecida. No relato do caso original, que foi publicado no Journal of Laryngology & Otology em 2011, os pesquisadores escreveram:

“Um homem de 61 anos foi levado ao pronto-socorro com histórico de oito semanas de rouquidão gradualmente progressiva e fraqueza em ambos os membros inferiores… A rouquidão do paciente era constante por natureza, provocando pigarros repetidos.”

Ele foi tratado com terapia de reposição de vitamina B12, o que resolveu seus sintomas:

“…no acompanhamento, a voz do paciente e a função das cordas vocais haviam melhorado. Tanto sua voz quanto a função dos membros inferiores continuaram melhorando. Nos três meses seguintes, o paciente teve uma recuperação completa, refletindo a normalização de seus níveis séricos de B12.

Acreditamos que este caso demonstra uma forte relação entre a deficiência de vitamina B12 e a paralisia das cordas vocais.”

A metformina está associada à rouquidão por deficiência de vitamina B12

Em outro caso, um homem de 55 anos com diabetes tipo 2 também sofria de rouquidão, o que o levou a procurar uma clínica de otorrinolaringologia (ouvido, nariz e garganta). A paralisia bilateral das cordas vocais foi identificada como resultado de uma deficiência de vitamina B12, sendo, de acordo com os pesquisadores, resolvida após o aumento dos níveis de vitamina B12:

“A rouquidão do paciente se recuperou progressivamente após um mês de tratamento… Após 3 meses, as queixas de neuropatia do paciente foram reparadas e as cordas vocais avaliadas como normais.”

Nesse caso, o homem fazia uso de insulina, valsartana e metformina há cinco anos. A metformina, um medicamento para diabetes, foi anteriormente associado à deficiência de vitamina B12. Em um estudo, a média de vitamina B12 era mais baixa entre aqueles que tomavam metformina, e 4% tinham deficiência da vitamina em comparação com 2% no grupo de placebo.

Além disso, quase 20% dos que tomaram metformina tinham níveis limítrofes de vitamina B12 em comparação com 10% dos que ingeriram placebo. Mais pessoas no grupo da metformina também eram anêmicas, condição associada à deficiência de vitamina B12.

Os pesquisadores do estudo de caso observaram: “Os médicos devem ter em mente que o uso de metformina a longo prazo pode resultar na deficiência de vitamina B12 ao avaliar a etiologia da paralisia das cordas vocais”.

Os pesquisadores do Journal of Laryngology & Otology também observaram que é importante que os médicos considerem a deficiência de vitamina B12 no caso de paralisia das cordas vocais, afirmando: “É importante considerar a deficiência de vitamina B12 como uma causa, pois a rápida identificação e tratamento podem ajudar a prevenir o dano neurológico permanente”.

Alguns sintomas de deficiência de vitamina B12 podem passar despercebidos

Os sintomas da deficiência de vitamina B12 podem ser sutis ou refletir outras condições, colocando-a em risco de ser negligenciada ou diagnosticada incorretamente pelos médicos. Um dos efeitos da deficiência é uma condição do sangue chamada anemia megaloblástica. Faz com que a medula óssea libere células sanguíneas imaturas, que são incapazes de fornecer quantidades adequadas de oxigênio ao corpo. O resultado é fadiga e palidez.

Pessoas com anemia megaloblástica também podem desenvolver icterícia, um leve amarelamento da pele ou dos olhos. Alguns com deficiência de vitamina B12 também relatam tremores nos olhos ou espasmos da pálpebra. No estudo apresentado, uma mulher de 74 anos com deficiência de B12 também apresentou visão turva, juntamente com distúrbios do modo de andar e problemas de equilíbrio.

Os problemas de saúde mental também podem ser indício da deficiência de vitamina B12, e foi observado que até 30% dos pacientes hospitalizados por depressão podem ter deficiência dessa vitamina, enquanto, entre os idosos com transtornos depressivos, aqueles com deficiência de B12 podem ter 70% mais probabilidade para experimentar depressão. Os pesquisadores chegaram até a dizer que a vitamina B12 pode estar relacionada à depressão.

A vitamina B12 pode ser útil contra a COVID-19

As vitaminas do complexo B também desempenham um papel importante no funcionamento celular, metabolismo energético e função imunológica, levando um grupo de pesquisadores a sugerir que poderiam ser úteis para o tratamento de COVID-19 e que os níveis da vitamina B deve ser verificados em pacientes com COVID-19.

“A vitamina B ajuda na devida ativação das respostas imunológicas inatas e adaptativas, reduz os níveis de citocinas pró-inflamatórias, melhora a função respiratória, mantém a integridade endotelial, previne a hipercoagulabilidade e pode reduzir o tempo de permanência no hospital”, escreveram os pesquisadores no jornal Maturitas.

Em termos de vitamina B12, especificamente, ela modula a microbiota intestinal, e níveis baixos podem levar ao aumento da inflamação e do estresse oxidativo. Um estudo também sugeriu que os suplementos de vitamina B12 podem reduzir os sintomas e danos a órgãos relacionados à COVID-19.

Pesquisadores do Singapore General Hospital e da Duke-NUS Medical School também decidiram determinar se uma combinação de vitamina D, magnésio e vitamina B12 melhoraria os resultados entre pacientes com COVID-19 com 50 anos ou mais.

Dezessete pacientes receberam vitamina D3 oral (1.000 UI), magnésio (150 miligramas) e vitamina B12 (500 mcg) — uma combinação conhecida como DMB — durante uma média de cinco dias, enquanto 26 pacientes que não receberam DMB serviram como o grupo de controle.

Benefícios significativos foram observados entre o grupo DMB, com apenas 17,6% necessitando da oxigenoterapia durante sua hospitalização, em comparação com 61,5% no grupo controle. A necessidade de oxigênio está associada a um aumento do risco de tratamento intensivo, e o grupo DMB também se beneficiou nessa área.

Entre aqueles no grupo DMB que necessitaram de oxigênio (três dos 17 pacientes), dois necessitaram de internação na UTI, enquanto um não. Entre o grupo de controle, todos aqueles que necessitaram de oxigênio precisaram de suporte adicional na UTI. Nove dos pacientes com DMB receberam a combinação na primeira semana do início dos sintomas, e apenas um deles necessitou de oxigenoterapia.

Os pesquisadores explicaram que a vitamina D, o magnésio e a vitamina B12 apresentam uma abordagem única em três frentes contra a COVID-19, observando que “a vitamina B12 é essencial para sustentar um microbioma intestinal saudável, que tem um papel importante no desenvolvimento e função dos sistemas imunológicos inato e adaptativo”.

Quem corre o risco de ter deficiência de vitamina B12?

Acredita-se que quase dois quintos dos norte-americanos podem ter níveis de vitamina B12 abaixo do ideal, 9% deles apresentando deficiência e 16% abaixo de 185 pmol/L, que é considerado o limite para deficiência. Embora os vegetarianos e veganos sejam mais suscetíveis, uma vez que a vitamina B12 é derivada de produtos de origem animal, mesmo aqueles que comem carne podem apresentar uma deficiência dessa vitamina, pois é comum haver problemas de absorção.

A vitamina B12 é encontrada fortemente ligada às proteínas, e para quebrar essa ligação, é necessária uma elevada acidez. Algumas pessoas podem não ter suco gástrico o suficiente para separar a vitamina B12 das proteínas. O envelhecimento também pode reduzir sua capacidade de absorver as vitaminas dos alimentos, aumentando o risco de sofrer deficiências, assim como qualquer uma das seguintes situações:

Pessoas que ingerem bebidas alcoólicas regularmente, já que a vitamina B12 é armazenada no fígado.Pessoas com doenças autoimunes, como a doença de Crohn e a doença celíaca, que podem impedir seu organismo de absorver a vitamina B12.
Pessoas que bebem mais que quatro copos de café por dia têm mais risco de apresentar deficiências das vitaminas do complexo B do que pessoas que não bebem café.
Pessoas que fizeram gastroplastia e, por isso, apresentam alteração no sistema digestivo, o que pode prejudicar a absorção da vitamina B12.
Pessoas expostas ao óxido nitroso (gás hilariante), que é capaz de destruir qualquer reserva de vitamina B12 presente no corpo.
Adultos com mais de 50 anos, pois o envelhecimento provoca uma redução na capacidade de produção do fator intrínseco.
Pessoas infectadas pela bactéria Helicobacter pylori. O fator intrínseco é uma proteína produzida pelas células do estômago que é necessária para a absorção da vitamina B12. A bactéria H. pylori pode destruir o fator intrínseco, impedindo assim a absorção de vitamina B12.
Pessoas que tomam antiácidos, os quais têm a tendência de interferir na absorção da vitamina B12 com o tempo.
Pacientes que tomam metformina para baixar o nível de açúcar no sangue, pois esse medicamento interfere na absorção de B12, dobrando o risco de deficiência.Qualquer pessoa que esteja tomando um inibidor da bomba de prótons (IBP) como Prevacid ou Nexium ou bloqueador de H2 como Pepcid ou Zantac. Pesquisas mostram que tomar IBPs por mais de dois anos aumenta em 65% o risco de sofrer deficiência de vitamina B12.
Mulheres que tomam anticoncepcionais por longos períodos, pois o estrogênio prejudica a absorção da vitamina.Pessoas que tomaram antibióticos, uma vez comprovado que esses medicamentos induzem à deficiência de vitamina B12.

Em adultos, a deficiência de vitamina B12 pode se desenvolver em cerca de seis anos, que é o tempo que leva para esgotar os estoques de B12 do seu corpo. Portanto, é importante estar ciente de sua ingestão e identificar uma deficiência de B12 precocemente, pois o desenvolvimento de debilidades no cérebro e nervos pode ser muito difícil de corrigir uma vez causado o dano.

Ingerir alimentos ricos em vitamina B12 regularmente, como fígado de boi terminado a pasto, truta arco-íris selvagem e salmão-vermelho selvagem, é importante para manter seus níveis adequados, mas se você suspeitar que de uma deficiência, pode ser necessário tomar injeções semanais de B12 ou fazer uso de um suplemento diário em altas dosagens.

A metilcobalamina, que é a forma natural da vitamina B12 encontrada nos alimentos, é mais absorvível do que a cianocobalamina, que é o tipo encontrado na maioria dos suplementos

– Recursos e Referências

Hits: 0

Leave a Reply

error: Content is protected !!